Twitter / armando.info
Twitter / armando.info

4 jornalistas venezuelanos são exilados após pedido de empresário ligado a casos de corrupção

‘Foram ao exterior em busca de proteção’, diz um comunicado que não detalha o destino dos profissionais do site armando.info, especializado em investigações jornalísticas

O Estado de S.Paulo

06 Fevereiro 2018 | 11h09

CARACAS - Quatro jornalistas venezuelanos foram exilados após o pedido de um empresário colombiano ligado a casos de corrupção, informou na segunda-feira 5 o veículo para o qual trabalham.

+ Polarização alimenta apoio a regimes autoritários

O caso envolve os editores Alfredo Meza, Ewald Scharfenberg e Joseph Poliszuk, e o redator Roberto Deniz, do portal armando.info, especializado em investigações jornalísticas.

+ O dinheiro venezuelano perdeu o sentido

“Ao salvaguardar de suas liberdades, eles foram ao exterior em busca de proteção”, diz um comunicado à imprensa, que não detalha o destino dos jornalistas.

O pedido de exílio foi feito pelo empresário Alex Saab, acusado de “difamação” e “injúria” agravadas, punidas com entre um e seis anos de prisão.

Duas reportagens do armando.info publicadas em 2017 ligam Saab à empresa Group Grand Limited e à venda ao governo venezuelano de alimentos distribuídos a preços subsidiados em bairros pobres.

Segundo as investigações, a companhia recebeu do governo dólares subsidiados para importar os alimentos do México, mas o fez com preço mais elevado.

O país atravessa uma grave crise econômica, caracterizada por hiperinflação e escassez de alimentos e medicamentos.

Os jornalistas afirmaram ainda que a Procuradoria do Equador “investigou e abriu julgamentos contra o empresário pelas atividades da empresa Fundo Global de Construção, com a qual obteve contratos milionários do governo venezuelano para a construção e entrega de casas pré-fabricadas”.

“Houve ameaças e exposição de dados pessoais dos quatro jornalistas de armando.info em uma conta anônima nas redes sociais, o que foi denunciado e condenado”, lembrou o site. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.