Thailand Government Spokesman Bureau / AP
Thailand Government Spokesman Bureau / AP

Quatro meninos resgatados de caverna devem ter alta no domingo

O estado de saúde de todos é bom, dizem autoridades; vídeo postado pela Marinha causa polêmica por mostrar garotos sedados em macas

O Estado de S.Paulo

11 Julho 2018 | 19h51

MAE SAI, THAILAND - Os 12 meninos tailandeses e seu técnico de futebol resgatados de uma caverna inundada estão em bom estado de saúde e não mostraram sinais de estresse. Tanto que os quatro primeiros garotos retirados, no domingo, devem receber alta no fim de semana, disseram as autoridades. Nesta quarta-feira, 11, um vídeo divulgado pela Marinha da Tailândia causou polêmica por mostrar que os meninos teriam sido sedados.

+ Hospital divulga imagens de garotos resgatados de caverna inundada na Tailândia

Apesar de terem perdido em média dois quilos cada um durante os 17 dias de isolamento, todos estão em bom estado de saúde. “Os quatro primeiros resgatados, com idade de 14 a 16 anos, já comem alimentos normalmente e dormem bem, sem a necessidade de sedativos, portanto serão liberados até domingo”, afirmou o médico Thongchai Lertwilairattapong, inspetor-geral do Ministério de Saúde Pública da Tailândia. Lertwilairattapong. 

+ De 23 de junho a 10 de julho: confira como foi o resgate dos meninos presos em caverna na Tailândia

+ Meninos retirados de caverna ficarão internados por uma semana

Nesta quarta-feira, 11, os médicos permitiram, pela primeira vez, que os pais dos meninos resgatados no domingo e na segunda-feira pudessem entrar na ala do hospital provincial de Chiang Rai onde estão internados, embora com luvas e roupas especiais e tendo que manter uma distância de dois metros. A medida é para evitar que os resgatados, que estão com a imunidade baixa, contraiam alguma doença que atrase sua recuperação. Ainda na quarta-feira, 11, o governo divulgou as primeiras imagens dos meninos no hospital. 

+ 'Maturidade de quem medita é diferente'

+ Meninos resgatados de caverna na Tailândia não poderão ir à final da Copa do Mundo

A unidade SEAL da Marinha tailandesa divulgou na  quarta-feira, 11, as primeiras imagens em vídeo da operação para resgatar os meninos e o técnico. As imagens mostram alguns dos garotos em macas, aparentemente sedados e usando equipamentos de mergulho. As imagens também exibiam muitos mergulhadores, tanto tailandeses como estrangeiros, utilizando cordas, roldanas e tubos de plástico durante a retirada do grupo de dentro do complexo subterrâneo de Tham Luang.

O vídeo foi postado na página do Facebook da unidade e reacendeu a polêmica sobre a possível sedação dos meninos para que o resgate ocorresse sem percalços. Horas depois da publicação, a Marinha apagou o vídeo. 

Ainda na quarta-feira, 11, um dos socorristas, um fuzileiro da Marinha da Tailândia, afirmou que alguns dos meninos estavam "adormecidos" durante o procedimento de retirada da caverna. Esses são os primeiros detalhes revelados sobre a complexa operação de resgate.

"Alguns deles estavam adormecidos, outros moviam os dedos, (como se estivessem) 'grogues'. Mas respiravam”, explicou o comandante Chaiyananta Peeranarong, que foi o último socorrista a deixar a caverna após o resgate dos meninos, com entre 11 e 16 anos, e seu treinador de futebol, de 25 anos.

As autoridades do país asiático mantêm silêncio sobre detalhes da complicada missão, em meio às especulações de que os garotos teriam sido sedados. Muitos deles não sabiam nadar e nenhum tinha experiência com mergulho, muito menos dentro de uma caverna escura e de trechos submersos estreitos.

O primeiro-ministro tailandês, Prayuth Chan-ocha, declarou na terça-feira que os meninos receberam um tranquilizante “leve”, apenas para prevenir ansiedade, mas negou que eles tivessem sido sedados. “Quem usaria clorofórmio neles? Se eles estivessem sedados, como sairiam? Chama-se ansiolítico, algo para evitar que eles fiquem agitados, estressados”, afirmou em entrevista. / AFP, REUTERS e AP



 

Mais conteúdo sobre:
Tailândia [Ásia]caverna

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.