Quatro meses de embaraço em Tegucigalpa

Manuel Zelaya retornou escondido a Honduras. O edifício da Embaixada do Brasil em Tegucigalpa foi praticamente dominado pelo presidente deposto e seus aliados por quatro meses. O prédio foi sitiado pelos militares e a entrada e saída de alimentos, água e outros suprimentos foi controlada. As negociações entre o governo de facto e a Organização dos Estados Americanos (OEA) e os EUA fracassaram. Foram realizadas as eleições de novembro e o atual presidente, Porfírio "Pepe" Lobo, tomou posse no fim de janeiro. No mesmo dia, Zelaya deixou a embaixada e foi para a República Dominicana. Até hoje, o Brasil não reconhece a legitimidade do governo hondurenho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.