Quatro ministros do Uruguai renunciam

Quatro ministros uruguaios se demitiram em protesto contra a forma como o presidente Jorge Batlle administra a acentuada crise econômica do país. Todos os quatro demissionários são do Partido Nacional, ou blancos, que junto com os colorados (Partido Colorado) foram a coalizão do governo. Dos blancos restou apenas o ministro do Trabalho, Alvaro Alonso, que chegou a anunciar sua renúncia, mas depois disse que permaneceria no cargo pelo menos até o final de semana.A saída dos ministros confirmou a crescente divisão na coalizão, que foi eleita em 2000, para um mandado de cinco anos. A tensão atingiu seu clímax ontem, quando Luis Lacalle, ex-presidente e líder do Partido Nacional, expressou publicamente seu arrependimento por ter apoiado Batlle em sua campanha para a presidência. O partido de Lacalle está cada vez mais impaciente com a forma como o governo lida com a crise econômica e acusou que os blancos não "eram apreciados pelo governo Batlle".Em agosto, correntistas nervosos sacaram milhões de dólares de suas contas bancárias. Na ocasião, o FMI liberou US$ 3,8 bilhões em assistência financeira emergencial para o Uruguai. Contudo, o governo está lutando para reorganizar o seu abalado sistema bancário e falhou em tomar as medidas necessárias para reativar a economia, que deverá encolher 11% este ano. Em reação a renúncia dos ministros, Batlle disse que pedirá ao Congresso para eliminar alguns dos Ministérios que ficaram vagos. A expectativa é de que a coalizão partidária continue a trabalhar em conjunto no Congresso, assegurando a passagem de leis de reforma econômica.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.