Quatro mortes confirmadas em deslizamento na Bolívia

Um deslizamento de terra soterrou centenas de casas na cidade de Chima, no norte da Bolívia, e deixou pelo menos quatro mortos e sete feridos numa tragédia que, segundo as autoridades locais, pode ter custado a vida de centenas de pessoas.Os sobreviventes passaram a tarde escavando o monte de lama, pedras e sujeira formado pelo deslizamento da manhã de hoje. Os números referentes a desaparecidos ainda são incertos."Confirmamos que sete pessoas escaparam do desastre e quatro morreram", disse Toridio Mercado, vice-prefeito de Tipuani, um vilarejo próximo onde está estabelecida uma clínica que recebeu parte dos feridos."A situação é urgente. Não temos nem mesmo os recursos mais básicos", comentou Mercado. "Temos dois médicos e eles precisam de gaze, seringas, gesso e sacos de corpos."Familiares de vítimas e desaparecidos aguardavam a chegada das equipes de resgate provenientes de La Paz, a 190 quilômetros dali.Apesar da distância relativamente pequena, a viagem leva aproximadamente 12 horas porque a estrada que liga os dois pontos é esburacada e vulnerável a deslizamentos de terra e outros desastres naturais. Não há pistas de pouso na região.Autoridades em La Paz ainda tentam determinar a magnitude do desastre. A única forma de comunicação com a mina é um pequeno aparelho de rádio."Está claro que há muitas pessoas mortas, feridas e desaparecidas", constatou Oscar Mina, diretor da agência de defesa civil de La paz. "Mas o maior problema é toda a confusão que isto causou. Recebemos informações de todos os tipos."Mina disse que o governo de La Paz enviou à área um grupo de especialistas em resgate que determinará a gravidade do incidente.Quase todos os homens da comunidade garimpeira de 1.800 pessoas trabalhavam nas minas quando ocorreu o deslizamento.Um dos poucos prédios poupados pelo acidente foi a escola do vilarejo, "onde as crianças lamentavelmente não viverão mais com seus pais", disse Mercado.Logo após o deslizamento, rádios locais informaram que pelo menos 400 casas foram soterradas e 700 pessoas estariam desaparecidas."Houve um deslizamento na cidade de Chima e nós fomos informados de que cerca de 400 casas foram soterradas", disse inicialmente o governador da província de La Paz, Mateo Laura, à rede de televisão Unitel.O dirigente da cooperativa dos garimpeiros de Chima, José Plata, informou do local à Rádio Fides que "700 pessoas estão desaparecidas".Mais tarde, porém, algumas rádios disseram que as estimativas eram exageradas e corrigiram o número desaparecidos para 150 ou 200.Os garimpeiros da região estão associados a cooperativas que operam de forma independente e não dispõem de recursos para adotar medidas de segurança eficazes.Plata disse ainda que o deslizamento sepultou quase todos os equipamentos e veículos que existiam em Chima, uma comunidade de 1.800 habitantes localizada nas selvas baixas da Bolívia e formada majoritariamente por garimpeiros e seus familiares.Há dois anos, um deslizamento de terra causou oito mortes. De acordo com as autoridades bolivianas, os túneis abertos pelos garimpeiros em busca de ouro fragilizaram a estrutura da montanha e aumentam o risco de deslizamentos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.