Quatro muçulmanas são multadas por uso do véu na França

Mulheres desafiam lei que proíbe trajes que cubram o rosto; ONG quer criar fundo para pagar multas

Andrei Netto, O Estado de S.Paulo

13 de abril de 2011 | 00h00

CORRESPONDENTE / PARIS

Pelo menos quatro mulheres muçulmanas teriam sido multadas ontem, em Paris e na região metropolitana, por vestir os véus islâmicos integrais - conhecidos como burca e niqab. Segundo o Ministério do Interior, "várias" mulheres foram multadas ontem em todo o país pelo uso da burca. Mas o órgão não divulgou números precisos, limitando-se a confirmar as autuações na região parisiense.

A reação da polícia revela que a resistência continua sendo a estratégia das islâmicas para enfrentar a nova legislação na França. Além das quatro punidas as em Paris e nas cidades de Yvelines e Saint-Denis, outras duas mulheres, detidas na segunda-feira em protestos realizados diante da catedral de Notre-Dame e do Palácio do Eliseu, foram intimadas a comparecer à Justiça. A lei entrou em vigor na segunda-feira.

As autuações de ontem confirmam uma tendência. Muçulmanas ouvidas pela reportagem manifestaram disposição de desafiar a lei sempre que saírem de casa. "Vou me esforçar para que a lei não mude o meu cotidiano. Talvez eu corra o risco de ser presa, mas acho que vale a pena", afirmou Hind Ahmas, de 31 anos. Apesar da disposição de resistir, a mãe divorciada admite que reduzirá suas saídas à rua para evitar o risco de ser alvo de violência. "Já fui agredida no rosto por uma pessoa quando estava com minha filha de 3 anos", disse.

Preocupado com o que considera uma "repressão" às mulheres muçulmanas, a associação Touchez pas à ma Constitution - na tradução livre "Não toque na minha Constituição" - promete pagar as multas de ? 150 previstas pela lei. Rachid Nekkaz, coordenador da ONG, afirmou ao Estado que vai leiloar um imóvel em Paris, avaliado em ? 2 milhões, para arrecadar no mínimo ? 1 milhão para saldar todas as infrações cometidas por muçulmanas na França. "Sou particularmente contra a burca e o niqab, mas não posso deixar de me levantar contra essa legislação", justificou Nekkaz, francês muçulmano casado com uma americana católica.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.