Quatro palestinos são mortos em atos de violência

Quatro palestinos morreram em atos de violência ocorridos nesta segunda-feira na Faixa de Gaza e na Cisjordânia, entre eles um jovem, assassinado a tiros quando atirava pedras contra soldados israelenses em Jenin. As forças israelenses estiveram envolvidas em três das quatro mortes de palestinos ocorridas hoje. A quarta morte, de um funcionário do serviço sanitário no entroncamento de Erez - entre Gaza e Israel -, foi causada por um morteiro disparado por palestinos contra uma posição israelense, mas que errou o alvo. A explosão também deixou feridos 12 palestinos que retornavam do trabalho para casa. Em Jenin, soldados assassinaram um jovem atirador de pedras. Numa nova tática de protesto contra as forças israelenses que ocupam a cidade situada no extremo norte da Cisjordânia, os jovens palestinos colocaram um monte de lixo no alto de um carro blindado israelita. Simultaneamente, centenas de palestinos atiraram pedras e bombas de gasolina contra os soldados. O Exército alega que palestinos dispararam tiros contra seus soldados, ferindo um deles, o que causou a reação dos militares. Nesta segunda-feira, muitos palestinos ignoraram as restrições para o feriado de três dias que encerra o Ramadã, mês sagrado para os muçulmanos. Em Tulkarem, também na Cisjordânia, um pedestre foi morto num choque entre militantes das Brigadas dos Mártires de Al-Aqsa e forças israelenses, disseram testemunhas. O Exército de Israel informou que seus soldados abriram fogo contra palestinos que atiravam bombas de gasolina. Mais cedo, em Gaza, soldados mataram um palestino vestido em uniforme militar israelense que aparentemente tentava invadir um assentamento judaico. O grupo Jihad Islâmica assumiu a tentativa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.