Quatro policiais assassinados em motim na Guatemala

Quatro policiais acusados de matar três deputados salvadorenhos do Parlamento Centro-americano e a seu chofer, na segunda-feira passada, foram assassinados neste domingo na prisão de segurança máxima El Boquerón, na Guatemala, segundo a imprensa local."Nós dissemos que não queríamos ninguém aqui dentro que não fosse de nossa quadrilha. Os quatro mortos são novos", afirmou um detento. Os policiais, identificados como Luis Arturo Herrera López, de 39 anos, José Adolfo Gutiérrez, de 36, Marvin Lange Escobar, de 31, e José Estuardo López Arriaga, 28, foram detidos na quinta-feira.Todos pertenciam à seção contra o crime organizado da Divisão de Investigação Criminal, uma unidade elite da polícia guatemalteca.Segundo registros fotográficos feitos no local dos crimes, se trataria realmente dos quatro policiais acusados. Até o momento, as autoridades guardaram sigilo e só disseram ter conhecimento de um motim no presídio, ainda que tenham reconhecido que no mesmo "poderiam haver vários mortos".O presidente da Guatemala, Oscar Berger, foi o primeiro a admitir que a corrupção imperante na forças de segurança pública, ao reconhecer no México que o crime dos deputados centro-americanos foi, aparentemente, obra do narcotráfico."Este grupo esperava um traslado de drogas e de dinheiro e equivocadamente procederam contra os muito dignos deputados salvadorenhos e seu chofer (...) Ao não encontrar absolutamente nada se deram conta de que haviam se confundido e decidiram sacrificar essas pessoas", afirmou o mandatário.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.