REUTERS/Philippe Wojazer
REUTERS/Philippe Wojazer

Quatro policiais são mortos em ataque à sede da polícia em Paris

Segundo informações preliminares, vítimas foram esfaqueadas por um funcionário do setor administrativo que depois foi abatido por outro policial

Redação, O Estado de S.Paulo

03 de outubro de 2019 | 10h04

PARIS - Quatro policiais foram mortos esfaqueados nesta quinta-feira, 3, dentro da sede da polícia de Paris, agredidos por um funcionário que depois foi morto pela polícia, informou a prefeita de Paris, Anne Hidalgo.

As autoridades ainda não divulgaram a identidade das vítimas ou do agressor. Segundo a mídia francesa, o agressor seria um funcionário de 45 anos que trabalhava no local.

Os investigadores privilegiam a pista de um conflito pessoal, segundo fontes da mídia francesa. O agressor, que foi morto no hall de entrada da sede da polícia, trabalhava na Diretoria de Inteligência.

O secretário do sindicato dos políciais, Loïc Travers, informou que ele trabalhava no setor administrativo havia 20 anos. "Era um funcionário, a priori modelo, que não dava problemas", afirmou.

Christophe Crépin, que é porta-voz do coletivo France Police- Policiers en Colère, afirmou que ele teria problemas com sua chefe.

A sede da polícia fica na Île de la Cité, local emblemático de Paris, no centro histórico da capital, perto da Catedral de Notre-Dame

A região foi bloqueada pelas forças de segurança. A estação de metrô Cité, na linha 4, foi fechada.

O presidente francês, Emmanuel Macron, foi ao local do incidente, de acordo com declaração divulgada pelo Palácio do Eliseu.

Os ministros do Interior Christophe Castaner, o primeiro-ministro Edouard Philippe e o procurador da república também foram ao local.

A prefeita de Paris se manifestou no Twitter após o ataque. “O balanço é pesado, vários policiais perderam a vida. Em meu nome e no dos parisienses, meus pensamentos vãos paras famílias das vítimas e seus entes queridos”. / AFP e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.