Queda de Airbus pode ter sido provocada por outro avião

Três dias após a queda do Airbus A300 da American Airlines sobre o bairro nova-iorquino de Queens, que deixou 265 mortos - a maioria dominicanos -, os investigadores analisavam hoje a hipótese de que uma turbulência provocada pelo Boeing 747-400 da Japan Airlines, que decolou cerca de 2 minutos e 20 segundos antes, tenha levado ao desprendimento da cauda e do estabilizador vertical do avião.A decolagem atendeu as normas de aviação comercial americana, que exigem uma distância mínima de quatro milhas náuticas (7,3 quilômetros) ou dois minutos entre cada decolagem. Mas o Boeing pode ter deixado em seu rastro uma turbulência, que o funcionário da Junta Nacional de Segurança no Transporte George Black comparou a um "tornado horizontal".A seção da cauda, de 8,2 metros, teria sido a primeira parte que se desprendeu da fuselagem. O estabilizador vertical foi encontrado nas águas de Jamaica Bay, a cerca de 2 quilômetros do lugar da queda. Black revelou que esse é o lugar exato onde o Airbus da American Airlines desapareceu dos radares. O avião se despedaçou antes da queda. Sem a cauda, o avião sofreu perda de estabilidade e de controle. Nas gravações da caixa-preta que registra as conversações da cabine podem ser ouvidas duas fortes trepidações da fuselagem, um dos pilotos citando uma turbulência causada por outro avião, e indicações de que eles haviam perdido o controle da nave.Segundo a NTSB, há somente um caso registrado de um avião que perdeu o estabilizador: um B52 da Força Aérea americana que estava sendo submetido a testes de vôo sob intensa turbulência nos anos 60. Um perito em material composto da Administração Federal de Aviação juntou-se hoje aos investigadores para analisar a cauda e o estabilizador do avião e a American Airlines anunciou que revisará os 34 Airbus A300 de sua frota.A segunda caixa-preta, que registra dados do vôo, ficou danificada na queda, mas, segundo a NTSB, as informações poderão ser recuperadas. Um Airbus A300 da American Airlines sofreu hoje uma avaria, não especificada, no aeroporto Las Américas, em Santo Domingo, quando ia decolar para Miami com mais de 200 pessoas a bordo. O avião foi mantido em terra para conserto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.