Queda de avião iraniano deixou 29 mortos, e não 80, diz ministro

Um avião de passageiros iraniano derrapou durante a aterrissagem em um aeroporto na cidade de Mashhad nesta sexta-feira, batendo uma de suas asas contra o chão e provocando um incêndio que deixou pelo menos 29 mortos, informou o chefe da aviação iraniana.Mais cedo, uma rede de TV iraniana chegou a anunciar a morte de mais de 80 pessoas no acidente. O jato, que transportava 148 pessoas, derrapou "e uma das asas chocou-se no chã, causando o incêndio", disse o chefe da Organização Iraniana de Aviação Civil, Nourollah Rezai Niaraki.Ainda segundo ele, não está claro porque o avião derrapou. De acordo com a TV estatal iraniana, um pneu da aeronave explodiu durante a aterrissagem.O vôo, da Iran Airtour, saiu de Bandar Abbas, no sul do país.Nenhum dos membros da tripulação da aeronave de fabricação russa Tupolev Tu-154 morreu no incêndio, e outros passageiros foram resgatados, informou a televisão estatal. Filmagens no aeroporto de Mashhad mostram equipes de resgate carregando corpos que estavam na parte central do avião, gravemente atingida pelo incêndio. O avião não aparentava estar em chamas, mas bombeiros usavam mangueiras. Dezenas de corpos foram colocados no chão e cobertos com lençóis. Inicialmente, a TV estadual informou que mais de 80 pessoas morreram, e que de 50 a 60 passageiros foram retirados da nave com ferimentos menores.Ainda assim, o porta-voz da Organização Iraniana de Aviação Civil, Reza Jafarzadeh, chegou a dizer que o número de mortes e a causa do acidente ainda não estavam definidos. O Irã tem acidentes freqüentes com aviões e muitas vezes culpou as sanções impostas pelos EUA, que dificultam a importação de peças extras para manutenção, até mesmo da Europa. Os países ocidentais ofereceram abrir as portas para vendas de aviões e peças como parte do pacote de incentivos que seria fornecido caso o Irã suspendesse seu programa nuclear. Seis pessoas morreram em um acidente de helicóptero em agosto no norte da capital Teerã.Em março, a Iran Air mostrou interesse em comprar aviões norte-americanos, apesar de não ficar claro como o país iria contornar as sanções americanas, em vigor desde 1979, quando as relações diplomáticas foram rompidas após militantes tomarem a embaixada americana em Teerã e manterem reféns por mais de um ano.A Iran Air tem pelo menos 43 aviões em sua frota. Sete são Boeings comprados antes da Revolução islâmica de 1979. Os outros incluem 28 Airbus e Fokkers europeus, e sete Tupolevs de fabricação russa. Um Tupolev-154 caiu na Ucrânia em 22 de agosto quando viajava de um balneário na Rússia para São Petersburgo, matando todos as 170 pessoas a bordo. O avião pertencia à companhia russa Pulkovo Linhas Aéreas.Mashhad, no nordeste do Irã, a mil quilômetros de Teerã, recebe aproximadamente 12 milhões de pessoas todos os anos em peregrinação pelos locais sagrados xiitas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.