Queda de avião mata 44 pessoas na Rússia

Tupolev-134, que saiu de Moscou e levava 52 passageiros e tripulantes, caiu antes de aterrissar em Petrozavodsk

, O Estado de S.Paulo

21 de junho de 2011 | 00h00

MOSCOU

Um avião Tupolev-134 com 43 passageiros e 9 tripulantes a bordo caiu ontem ao tentar um pouso de emergência em uma estrada a 700 metros da cabeceira da pista do aeroporto de Petrozavodsk, no norte da Rússia, matando 44 pessoas. Segundo autoridades locais, oito pessoas foram resgatadas com vida e internadas em hospitais da região - sete permaneciam em estado grave.

O voo 243 da companhia aérea RusAir saiu do aeroporto de Domodedovo, um dos principais de Moscou, às 22h30(15h30, hora de Brasília) e deveria pousar pouco antes da meia-noite em Petrozavodsk, capital da República da Carélia.

Ao que tudo indica, segundo autoridades de aviação russas, um problema técnico deve ter ocorrido pouco antes da aterrissagem, o que teria feito o piloto optar por um pouso de emergência na estrada. Investigadores, no entanto, não descartam outras possibilidades, como erro do piloto ou da falha dos controladores de voo do aeroporto de Petrozavodsk.

Ao tocar no solo, a fuselagem do Tupolev se rompeu e o avião pegou fogo. Os bombeiros do aeroporto conseguiram controlar o incêndio rapidamente e resgatar alguns sobreviventes - entre eles uma criança. Entre as vítimas estava Vladimir Pettay, árbitro da FIFA.

Histórico. O Tupolev-134 é um avião de duas turbinas projetado nos anos 60, ainda durante o período soviético. O modelo, que tem capacidade para até 76 passageiros, voa em mais de 40 países, mas a maior parte da frota é usada mesmo por companhias aéreas da Rússia.

Em 2007, o ministro russo dos Transportes, Igor Levitin, disse que o Tupolev-134 era um avião "ultrapassado" e deveria ser substituído pelos modernos Sukhoi 100 ou por qualquer aeronave similar nos próximos cinco anos. Até hoje, foram registrados 28 acidentes com o modelo, incluindo o de ontem. / REUTERS e AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.