Queda de avião militar mata 13 pessoas no Quênia

Treze pessoas morreram na queda de um avião militar no norte do Quênia, segundo a Cruz Vermelha Queniana, que resgatou quatro passageiros com vida. "Quatro foram resgatados e os outros morreram quando o avião pegou fogo ao cair. Os corpos estão irreconhecíveis", disse o responsável do Departamento de Desastres da Cruz Vermelha Queniana, Farid Abdulkadir. Segundo o porta-voz do Departamento de Defesa, Bogita Ongeri, o avião transportava 17 pessoas, entre elas vários deputados quenianos e um vice-ministro cujas identidades não foram divulgadas. O comissário do distrito de Marsabit, Mutua Iringu, confirmou à rede de televisão KTN que quatro pessoas sobreviveram, mas elevou o número de passageiros a 18, o que pode significar que 14 pessoas morreram no acidente. "O fogo era muito intenso e é impossível que ainda haja sobreviventes", ressaltou. O aparelho, um modelo Y12 que tinha deixado a base militar Moi em Nairóbi pela manhã, caiu perto da pista de aterrissagem de Marsabit, a noroeste da capital. Segundo a KBC, o tempo não estava bom no momento do acidente, mas as causas da queda ainda não foram determinadas. As identidades de todos os passageiros ainda não foram divulgadas pelo Departamento de Defesa, que emitiu um comunicado em que confirma o acidente e informa que foram enviadas equipes de emergência ao local. A KBC divulgou alguns nomes e cargos das pessoas que estavam a bordo, entre elas o bispo de Waqo, Patrick Kingola, e o funcionário do Departamento de Defesa Abdi Sasura. Os funcionários viajavam "em uma missão de paz" ao norte, para tentar reduzir a tensão entre comunidades em conflito. O presidente queniano, Mwai Kibaki, expressou em comunicado sua "incredulidade e surpresa" ao saber do fato. Não é a primeira vez que membros do governo de Kibaki, que chegou ao poder em dezembro do 2002, sofrem este tipo de acidente. Em janeiro de 2003, o recém-nomeado ministro do Trabalho, Ahmad Mohammed Khalif, e os dois pilotos do aparelho no qual viajava morreram quando seu avião se chocou contra um edifício minutos após decolar em Busia, no oeste do país, na fronteira com Uganda. Os ministros de Água e Recursos, Martha Karua; Turismo, Raphael Tuju; de Estado no Gabinete do presidente, Linah Kilimo; o vice-ministro de Justiça, Robinson Githau, e um deputado sobreviveram ao acidente.

Agencia Estado,

10 Abril 2006 | 11h25

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.