Queda de avião não deixa sobreviventes na Rússia

Um avião de passageiros russo Tupolev-154 caiu pouco depois das 21h locais (14h em Brasília) desta terça-feira numa área de floresta perto de Irkutsk, a 4.200 quilômetros de Moscou, matando todos os 133 passageiros e 10 ocupantes, informou o Ministério de Situações Emergenciais da Rússia. As autoridades admitiram que há a possibilidade de o número de mortos ser mais elevado, pois nos vôos domésticos na Rússia é comum pessoas embarcarem de última hora sem bilhete. O Tupolev da companhia aérea Vladivostokavia partira de Yekaterimburgo, na região dos Montes Urais, no oeste do país, para Vladivostok, no extremo leste, e deveria fazer uma escala técnica em Irkutsk, no sul da Sibéria. A queda, seguida de incêndio, ocorreu pouco depois de a torre de controle do aeroporto de Irkutsk ter perdido contato com o piloto. O aparelho desapareceu dos radares às 21h10. A aeronave tentou aterrissar duas vezes em Irkutsk, onde pararia para reabastecer, e caiu na terceira tentativa, informaram emissoras de tevê russas. Não há detalhes disponíveis sobre o que teria impedido o pouso da aeronave. O local do desastre, uma floresta a 34 quilômetros do aeroporto dessa cidade, fica perto de uma estrada na aldeia de Burdakov, numa região repleta de bosques, dachas (grandes casas de campo) e pequenas residências de veraneio, não muito distante do Lago Baikal. O Ministério de Situações Emergenciais ressalvou que não houve vítimas entre os moradores da área. Algumas testemunhas viram o avião dar várias voltas, tentando aterrissar na área, tendo caído na terceira tentativa, informou a agência russa de notícias RIA Novosti. Outros disseram ter escutado uma grande explosão na área. O presidente da Rússia, Vladimir Putin, encarregou o primeiro-ministro Mikhail Kasyanov de formar uma comissão para apurar o que provocou a queda. O chefe da investigação será o vice-primeiro-ministro Ilya Klebanov, o mesmo que comandou a equipe encarregada de averiguar as causas do afundamento do submarino Kursk. A emissora de TV pública RTR assinalou que equipes de socorro foram enviadas de aldeias próximas, Irkutsk e Krasnoyarsk, na Sibéria Oriental, e já estavam no local para recuperar os corpos. Com a crise na União Soviética e sua dissolução em 1991, a frota da aviação civil russa não foi modernizada. Mas, apesar de a maioria dos aviões ter sido construída antes da década de 90, a Rússia e outras ex-repúblicas soviéticas não têm sofrido grandes desastres aéreos nos últimos anos. Coincidentemente, outro Tupolev 154 caiu na mesma região de Irkutsk em 1994, provocando a morte de 130 ocupantes. O último grande incidente foi a queda de um aparelho militar na Geórgia, em outubro, causando a morte de 80 pessoas. O modelo 154 do Tupolev está em operação desde 1974.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.