Queda de helicóptero russo deixa 85 mortos

Um gigantesco helicóptero russo Mi-26 caiu perto de Grozny, capital da Chechênia, deixando pelo menos 85 mortos - todos militares. O Ministério da Defesa russo atribuiu o desastre a problemas mecânicos. Mas rebeldes chechenos que lutam pela independência da república muçulmana asseguram que derrubaram o parelho com um foguete terra-ar e rajadas de metralhadora. O helicóptero caiu a 5 quilômetros de seu destino: a base aérea russa de Khankala, perto de Grozny. Ele procedia da base aérea de Mozdok, na Ossétia do Norte, república da Federação Russa vizinha da Chechênia. Transportava 122 militares e 5 tripulantes. Salvaram-se 27 soldados e todos os tripulantes. O presidente Vladimir Putin, que definiu o acidente como "catástrofe", determinou a criação de uma comissão para investigar as causas. Ela será chefiada pelo general Serguei Fridinski. Ele disse que o Mi-26, o maior helicóptero do mundo em capacidade de carga e potência, teve um problema no motor, que se incendiou quando o piloto tentava uma aterrissagem de emergência. O ministro da Defesa, Sergei Ivanov, apresentou condolências às famílias das vítimas e desmentiu a versão dos rebeldes, difundida pela agência russa Interfax e emissoras de TV moscovitas. Mas a comissão de investigação foi criada com base na legislação de combate ao terrorismo. Ivanov disse que o Mi-26 caiu num campo minado, o que dificultou a operação de socorro e resgate. É o sexto helicóptero militar que cai na Chechênia desde fevereiro de 2000 - a maioria por problemas de manutenção. A queda do Mi-26 coincidiu com o ressurgimento de focos de guerrilha na região. Ataques rebeldes ocorridos na semana passada na pequena república deixaram nove militares russos e cinco civis mortos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.