Olivier le Corre/Reuters
Olivier le Corre/Reuters

Queda de ponte no interior da França deixa ao menos dois mortos

Estrutura metálica na cidade de Mirepoix-sur-Tarn, perto de Toulouse, foi construída na década de 30 e era submetida a 'monitoramento regular', segundo governador de Alta Garona, Etienne Guyot; vários estão desaparecidos

Redação, O Estado de S.Paulo

18 de novembro de 2019 | 10h13
Atualizado 18 de novembro de 2019 | 17h43

PARIS - Duas pessoas, incluindo uma adolescente de 15 anos, morreram nesta segunda-feira, 18, na queda de uma ponte suspensa de metal no sudoeste da França, um acidente que alimentou o debate no país sobre o estado dessas estruturas, muitas delas antigas e incapazes de suportar veículos pesados. Vários estão desaparecidos. 

O acidente aconteceu na cidade de Mirepoix-sur-Tarn, perto de Toulouse. Suas causas são desconhecidas, disse o governo, que anunciou a abertura de uma investigação. 

As autoridades locais buscam por mais pessoas que podem ter caído no Rio Tarn, incluindo os motoristas do caminhão e da van que, de acordo com testemunhas, atravessavam a ponte no momento do acidente. Quatro pessoas, incluindo a mãe da jovem, foram resgatadas com vida.

Um contingente de aproximadamente 70 bombeiros, 40 policiais e helicópteros, além de equipes de mergulhadores e salva-vidas, está no local para tentar resgatar os desaparecidos, cujo número ainda é desconhecido, segundo o governador do Departamento (Estado) de Alta Garona, Etienne Guyot.

A ponte, de estrutura metálica, foi construída na década de 30 e é submetida a "monitoramento regular", afirmou o governador.

A promotora de Toulouse Karline Bouisset explicou que foi aberta uma investigação judicial para estudar as causas do acidente. "É muito cedo para dizer se a ponte apresentava riscos ou não. Assim como não sei dizer quantas pessoas procuramos", disse.

Segundo fontes citadas pelo jornal local La Dépêche du Midi, a queda aconteceu por volta das 8h (4h de Brasília), quando um caminhão com peso acima do limite autorizado teria entrado na ponte sobre o Rio Tarn.

Os bombeiros afirmaram que por conta de um deslizamento de terra, a estrada D71 foi fechada e pediram que ninguém tentasse se aproximar do local.

Comissão do Senado apontou situação precária

Esta tragédia "infelizmente ilustra" as conclusões de uma comissão de senadores sobre a falta de segurança das pontes na França. Para o presidente desta comissão, Hervé Maurey, o problema é que "o estado das pontes no país não é realmente conhecido".

Os senadores pediram em seu relatório auditorias e um plano de investimentos "para evitar um drama".

A ponte, de 155 metros de comprimento e 6,5 metros de largura, não estava na lista de infraestruturas que provocavam o medo das autoridades, de acordo com o governo local.

"Usamos essa ponte todos os dias. Não pode ser que algo assim tenha acontecido! Os ônibus escolares acabaram de atravessar a ponte. Meu filho mais velho havia acabado de passar para ir à escola", afirmou Audrey Laujac, que mora a 100 metros do local.

O Senado francês criou a comissão sobre as pontes após o desabamento do viaduto de Gênova, na Itália, em 14 de agosto de 2018, um acidente que matou 43 pessoas./ EFE e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.