Hoshang Hashimi / AFP
Hoshang Hashimi / AFP

Queda do Afeganistão para o Taleban é a prova dos erros dos EUA no exterior; leia artigo

Não entendemos outros países bem o suficiente para refazê-los de acordo com nossos ideais. Nós nem mesmo entendemos nosso próprio país bem o suficiente para alcançar nossos ideais

Ezra Klein, The New York Times, O Estado de S.Paulo

27 de agosto de 2021 | 10h00

Em 2005, meus colegas da revista The American Prospect, Sam Rosenfeld e Matt Yglesias, escreveram um ensaio no qual penso com frequência. Chamava-se “The Incompetence Dodge” (A Fuga da Incompetência) e argumentava que os legisladores e analistas americanos tentam rotineiramente resgatar a reputação de ideias ruins atribuindo seu fracasso à má execução. Na época, eles escreviam sobre os falcões liberais que culpavam a má administração do governo Bush pela catástrofe da Guerra do Iraque, em vez de repensar a iniciativa em sua totalidade. Mas a mesma dinâmica permeia as recriminações sobre a retirada do Afeganistão.

Para afirmar o óbvio: não havia uma boa maneira de perder o Afeganistão para o Taleban. Uma retirada melhor era possível — e o nosso caótico e mesquinho processo de visto é imperdoável —, mas uma pior também era. De qualquer forma, não havia esperança de um fim para a guerra que não revelasse nossas décadas de loucura, não importa o quão profundamente a crença dos EUA em sua própria inocência duradoura exigisse. Essa é a avaliação que está por trás dos eventos que ainda estão se desenrolando, e grande parte da conversa dos noticiários a cabo é um esforço frenético e bipartidário para evitá-lo.

Concentrar-se na execução da retirada dá a praticamente todos que insistiram que poderíamos reconstruir o Afeganistão a oportunidade de ocultar seus fracassos, fingindo acreditar na possibilidade de uma partida elegante. Também está obscurecendo a verdadeira alternativa à retirada: ocupação sem fim. Mas o que nossa saída vergonhosa realmente reflete é o fracasso do estabelecimento da política externa dos Estados Unidos tanto na previsão quanto na formulação de políticas no Afeganistão.

“A multidão pró-guerra vê isso como um mecanismo pelo qual eles podem se abster de uma prestação de contas dos últimos 20 anos”, disse-me o senador Chris Murphy. “Pense no tamanho épico dessa falha de política. Vinte anos de treinamento. Mais de US$ 2 trilhões em despesas. Por quase nada. É comovente assistir a essas imagens, mas é igualmente comovente pensar sobre todo o esforço de vidas e dinheiro que desperdiçamos na busca de um objetivo que era ilusório.”

Emma Ashford, pesquisadora sênior do Centro Scowcroft de Estratégia e Segurança, expressou isso bem. “Não há como negar que os EUA são o país mais poderoso do mundo, mas o que temos visto continuamente nas últimas décadas é que não podemos transformar isso nos resultados que desejamos. Seja no Afeganistão ou na Líbia ou nas sanções contra a Rússia e a Venezuela, não obtemos os resultados políticos que desejamos, e acho que é porque ultrapassamos os limites (presumimos que, por sermos muito poderosos, podemos alcançar coisas que são inatingíveis).”

Vale a pena considerar alguns contrafactuais de como nossa ocupação poderia ter terminado. Imagine que o governo Biden, acreditando que o governo afegão é vazio, ignorou os apelos do presidente Ashraf Ghani e começou a retirar rapidamente o pessoal meses atrás. O voto de desconfiança se espalha por toda a política afegã, desmoralizando o governo existente e encorajando o Taleban. Aqueles que não sabiam que lado escolher, que esperavam por um sinal de quem estava no poder, rapidamente fecham acordos com o Taleban. Com a partida das últimas tropas americanas, o Taleban domina o país, e o governo Biden é responsabilizado, razoavelmente, por acelerar sua vitória.

Outro cenário possível foi sugerido a mim por Grant Gordon, um cientista político que trabalha com conflitos e crises de refugiados (e é, devo dizer, um velho amigo): se o governo Biden tivesse retirado nossos aliados e pessoal de forma mais eficiente, isso poderia levar o Taleban a massacrar sua oposição, já que os Estados Unidos e o mundo teriam ficado isolados e talvez desinteressados no rescaldo. Houve assassinatos por vingança, mas isso não evoluiu, pelo menos por enquanto, para um massacre total, e isso pode ser porque a retirada americana foi confusa e parcial, e o Taleban teme um novo engajamento.

“O que é claramente um desastre de um ângulo pode, na verdade, ter gerado contenção. Tendo passado um tempo em lugares como este, acho que falta às pessoas uma imaginação real para o quão ruim esses conflitos podem ficar”, disse.

Deixe-me oferecer mais um: embora poucos acreditassem que o governo de Ghani prevaleceria em nossa ausência, e a administração Trump os cortou de seu acordo com o Taleban, há um desapontamento generalizado pelo fato de o governo que apoiamos ter desmoronado tão rapidamente. Biden foi particularmente implacável em suas descrições da abdicação do exército afegão, e concordo com aqueles que dizem que ele foi injusto, subestimando a coragem e o sacrifício demonstrados pelas tropas afegãs durante a guerra. Mas deixe isso de lado: os americanos poderiam ter se sentido melhor ao ver nossos aliados no Afeganistão resistindo por mais tempo, mesmo se o Taleban saísse vitorioso. Mas uma guerra civil de vários anos teria sido melhor para os afegãos pegos no fogo cruzado?

Não vou fingir que sei como deveríamos ter deixado o Afeganistão. Mas nem um monte de gente que domina as transmissões agora sabe. E os confiantes pronunciamentos em contrário nas últimas duas semanas me deixam preocupado porque os Estados Unidos aprenderam pouco. Ainda estamos nos agarrando não apenas à ilusão de nosso controle, mas à ilusão de nosso conhecimento.

Esta é uma ilusão que, para mim, se despedaçou há muito tempo. Eu era um calouro na faculdade quando os Estados Unidos invadiram o Iraque. E, para minha vergonha duradoura, eu apoiei. Meu raciocínio foi direto: se George W. Bush, Bill Clinton, Tony Blair, Hillary Clinton, Colin Powell e, sim, Joe Biden pensaram que Saddam Hussein representava um perigo profundo e presente, eles devem saber de algo que eu não.

Há uma velha frase: “Não é o que você não sabe que o coloca em apuros. Você entra em apuros pelo o que você tem certeza (mas incorretamente)". E assim foi com a Guerra do Iraque. Como Robert Draper mostra em seu livro, “Para começar uma guerra: como a administração Bush levou a América para o Iraque”, eles tinham certeza de que Hussein tinha armas de destruição em massa. Só que ele não tinha. Eles também tinham certeza, com base em décadas de depoimentos de expatriados iraquianos, de que os americanos seriam bem-vindos como libertadores.

Havia muitas lições a serem aprendidas com a Guerra do Iraque, mas esta, para mim, foi a mais central: não sabemos o que não sabemos e, pior ainda, nem sempre sabemos o que pensamos saber. Os formuladores de políticas são facilmente enganados por pessoas com experiência ou credenciais aparentemente relevantes que lhes dirão o que desejam ouvir ou o que já acreditam. O fluxo de dinheiro, interesses e inimizades são opacos para quem está de fora e até mesmo para quem está dentro. Não entendemos outros países bem o suficiente para refazê-los de acordo com nossos ideais. Nós nem mesmo entendemos nosso próprio país bem o suficiente para alcançar nossos ideais.

“Veja os países nos quais a guerra contra o terrorismo foi travada”, disse-me Ben Rhodes, que atuou como um dos principais conselheiros de política externa do presidente Barack Obama. “Afeganistão. Iraque. Iêmen. Somália. Líbia. Cada um desses países está pior hoje de alguma forma. A base probatória para a ideia de que a intervenção militar americana leva inexoravelmente a melhores circunstâncias materiais simplesmente não existe.”

Escrevi um livro sobre polarização política, então muitas vezes sou solicitado a dar entrevistas em que o objetivo é lamentar o quão terrível é a polarização. Mas o poder contínuo da estrutura da guerra contra o terrorismo reflete os problemas decorrentes do excesso de bipartidarismo. O excesso de acordo pode ser tão tóxico para um sistema político quanto o excesso de desacordo. A alternativa para a polarização é frequentemente a supressão de pontos de vista divergentes. Se as partes concordam entre si, então têm incentivos para marginalizar aqueles que discordam de ambas.

Pelo menos durante minha vida adulta, em política externa, nosso problema político foi que os partidos concordaram demais e as vozes divergentes foram excluídas. Isso permitiu que muitas coisas não fossem questionadas e muitas falhas não fossem corrigidas. É revelador que Biden seja quem receba a culpa pela derrota dos Estados Unidos no Afeganistão. As consequências vêm para aqueles que admitem os fracassos da política externa dos Estados Unidos e tentam mudar o curso, não para aqueles que os instigam ou perpetuam.

Inicialmente, a guerra no Afeganistão foi tão amplamente apoiada e bipartidária como qualquer coisa na política americana jamais foi. Isso a tornou difícil de ser questionada e ainda mais difícil de encerrar. O mesmo ocorre para as suposições que estão por trás dela, e muito mais em nossa política externa: que os EUA são sempre um bom ator; que entendemos o suficiente sobre o resto do mundo, e sobre nós mesmos, para refazê-lo à nossa imagem; que o humanitarismo e o militarismo são facilmente enxertados.

A tragédia da intervenção humanitária como filosofia de política externa é que ela vincula nossa compaixão às nossas ilusões de domínio militar. Nós despertamos para o sofrimento dos outros quando tememos aqueles que os governam ou se escondem entre eles, e assim nosso desejo de segurança encontra união com nosso desejo de decência. Ou despertamos para o sofrimento dos outros quando eles enfrentam um massacre de tal urgência que somos forçados a confrontar nossa passividade e a perguntar o que a inação significaria para nossa alma e autoimagem. Em ambos os casos, acordamos com uma arma nas mãos ou talvez acordemos porque temos uma arma nas mãos.

Para muitos, as pretensões de motivação humanitária dos Estados Unidos sempre foram suspeitas. Existem regimes viciosos que os Estados Unidos não fazem nada para impedir. Existem regimes viciosos que os EUA financiam diretamente. É insensível sugerir que o único sofrimento pelo qual temos responsabilidade é o sofrimento infligido por nossa retirada. Nossas guerras, ataques de drones e ataques táticos e o caos geopolítico resultante levaram diretamente à morte de centenas de milhares de afegãos e iraquianos.

Esta é a lacuna profunda na conversa sobre política externa dos Estados Unidos: o establishment da política externa americana fica obcecado com os danos causados por nossa ausência ou retirada. Mas não há culpabilidade semelhante pelos danos que cometemos ou que nossa presença cria. Somos muito mais rápidos em nos culpar pelo que não fazemos do que pelo que fazemos.

Meu coração se parte pelo sofrimento que deixaremos para trás no Afeganistão, mas não sabemos como consertar o Afeganistão. Fracassamos tão grandemente nesse esforço que acabamos fortalecendo o Taleban. Devemos fazer todo o possível para trazer os cidadãos americanos e aliados para casa. Mas se realmente nos preocupamos em educar meninas em todo o mundo, sabemos como construir escolas e financiar a educação. Se realmente nos preocupamos em proteger aqueles que temem a tirania, sabemos como emitir vistos e admitir refugiados. Se realmente nos importamos com o sofrimento dos outros, há muito que podemos fazer. Apenas 1% dos residentes de países pobres foi vacinado contra a Covid. Podemos mudar isso. Mais de 400 mil pessoas morrem de malária a cada ano. Podemos mudar isso também.

“Quero os EUA mais avançados, mas por meio de um enorme braço de financiamento internacional e um enorme braço de energia renovável”, Murphy me disse. “Esses são os Estados Unidos que eu quero ver espalhados pelo mundo, não a face americana atual que é, em geral, vendas de armas, treinadores militares e brigadas.”

A escolha que enfrentamos não é entre isolacionismo e militarismo. Não somos poderosos o suficiente para alcançar o inatingível. Mas somos poderosos o suficiente para fazer muito mais bem e muito menos mal do que fazemos agora.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.