Queiroz Galvão resgatará funcionários na Líbia com barco

Um barco resgatará os funcionários da Queiroz Galvão que estão em Benghazi, na Líbia, e os levará a Malta, segundo informações da assessoria de imprensa do Itamaraty. De acordo com o ministério, as embaixadas em Cairo, Roma e Atenas se mobilizaram para resolver a situação dos brasileiros que se encontram na cidade. O resgate deve ocorrer até esta quinta-feira.

RAFAEL MORAES MOURA, Agência Estado

22 de fevereiro de 2011 | 20h21

As despesas com o barco serão pagas pela própria empresa, de acordo com o governo. Cerca de 130 funcionários brasileiros da Queiroz Galvão trabalham na Líbia.

O governo francês colocou à disposição do Brasil dois aviões com autorização de pouso na Líbia, informou a chanceler Michèle Alliot-Marie, após encontro com o ministro das Relações Exteriores, Antonio de Aguiar Patriota. Os dois condenaram com veemência os atos violentos contra os opositores ao regime de Muamar Kadafi.

Patriota classificou de "inadmissível" e "inaceitável" a reação do governo líbio contra manifestantes desarmados. "A notícia relativamente tranquilizadora para os que estão em Benghazi é que a cidade amanheceu sem distúrbios hoje, de modo que esperamos que seja essa a situação enquanto eles não conseguem deixar o país", afirmou o ministro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.