AP Photo/Sang Tan
AP Photo/Sang Tan

Quem é Julian Assange e por que ele foi preso?

Entenda as acusações da Justiça de diferentes países contra o fundador do WikiLeaks e saiba o que pode acontecer contra o australiano

Redação, O Estado de S.Paulo

11 de abril de 2019 | 14h48

LONDRES - Detido nesta quinta-feira, 11, pelas autoridades britânicas depois de o Equador retirar o asilo diplomático concedido em 2012, Julian Assange é um polêmico paladino da transparência, fundador da plataforma online WikiLeaks.

Ele ficou mundialmente conhecido em 2010, quando divulgou milhares de documentos diplomáticos e militares americanos.

O australiano, de 47 anos, passou quase sete anos na embaixada equatoriana, situada no bairro nobre londrino de Knightsbridge. Isso até a polícia de Londres, convidada a entrar na representação diplomática pelo embaixador do Equador, tirá-lo de lá arrastado.

Em 2017, após a eleição de Lenín Moreno à presidência, evento que significou uma reviravolta na diplomacia equatoriana, Assange se tornou um hóspede incômodo para o Equador.

Assange entrou na embaixada em 19 de junho de 2012 para escapar de uma extradição para a Suécia, cujas bases acabaram sendo desconsideradas. Ele permaneceu na missão equatoriana, porém, porque a Justiça britânica continuava a persegui-lo por ter violado os termos de sua liberdade condicional.

Em uma tentativa de tirá-lo do prédio sem problemas, Quito lhe concedeu em janeiro de 2018 a nacionalidade equatoriana e tentou lhe outorgar um status diplomático rejeitado por Londres. O australiano temia, principalmente, ser entregue aos Estados Unidos para ser julgado pela difusão, em 2010, de milhares de documentos militares e diplomáticos.

Quando afirmou, há alguns meses, que pesavam contra ele acusações supostamente secretas nos EUA, foi acusado de paranoia. Seus temores se confirmaram hoje, porém, depois que a polícia britânica anunciou que as autoridades americanas emitiram "uma ordem de extradição" contra Assange.

Nos EUA, ele é acusado de conspiração por ciberpirataria, de acordo com o Departamento de Justiça.

- Eleições americanas e separatismo catalão

Em abril de 2017, Lenín Moreno foi eleito presidente, dando um giro na diplomacia equatoriana. Assange então se tornou um hóspede incômodo para Quito, que, nesta quinta, retirou-lhe o status de asilado e a nacionalidade equatoriana.

A longa reclusão fez Assange perder protagonismo, até que, em novembro de 2016, ele interferiu nas eleições americanas e, em outubro de 2017, fez o mesmo no processo separatista catalão. Em ambos os casos, o governo equatoriano o lembrou de que não poderia interferir em assuntos de outros países, estando em sua sede diplomática.

Antes disso, porém, sua organização WikiLeaks talvez já tivesse contribuído para a vitória de Donald Trump, ao publicar milhares de mensagens secretas da campanha de sua rival democrata Hillary Clinton. E apoiou os separatistas catalães contra o governo espanhol da época, dirigido por Mariano Rajoy, divulgando imagens da resposta policial ao referendo de independência proibido.

A campanha de Hillary acusou o WikiLeaks de difundir "propaganda russa", mas Assange negou estar a serviço de Moscou: "o WikiLeaks publicou mais de 800 mil documentos relacionados com a Rússia, ou (seu presidente Vladimir) Putin, e a maioria é crítica".

Julian Assange nasceu em 3 de julho de 1971, em Townsville, no estado australiano de Queensland. Sua mãe, a atriz de teatro Christine Ann Assange, separou-se do pai de Julian antes de seu nascimento. Até os 15 anos, o jovem viveu em mais de 30 cidades australianas antes de se estabelecer em Melbourne.

Aluno inteligente, estudou matemática, física e informática na universidade, sem chegar a se formar. Foi, então, seduzido pela ciberpirataria e chegou a entrar nas redes da Nasa e do Pentágono com o pseudônimo de "Mendax". Foi nessa época que nasceu seu filho, Daniel, cuja guarda veio a disputar com a mãe.

- 'Egocêntrico', 'obsessivo' e 'paranoico'

Com a notoriedade do WikiLeaks, foi saudado como um gênio da informática e um messias libertário. "É o homem mais perigoso do mundo", diz uma biografia sua.

Rapidamente, vieram as críticas. As autoridades o acusaram de pôr em risco a vida de agentes de inteligência, e alguns velhos amigos e colaboradores o descreveram como "egocêntrico", "obsessivo" e "paranoico".

O cômodo, no qual Assange passou os últimos anos, está dividido em um escritório e uma sala de estar, com uma faixa para fazer exercícios, um banheiro, um micro-ondas e uma lâmpada de luz solar artificial.

A equipe de advogados do australiano, dirigida pelo ex-juiz espanhol Baltasar Garzón, denunciou as condições de vida impostas na embaixada, alegando que restringem seus "direitos fundamentais". Desde outubro, Assange tinha acesso apenas à internet mediante o wi-fi da missão diplomática, e suas visitas eram estritamente reguladas.

"Condicionam o asilo político de Assange à censura de sua liberdade de opinião, expressão e associação", afirmam os advogados, acusações estas rejeitadas por Quito. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.