Jorge Silva/EFE
Jorge Silva/EFE

Quem é Kim Yo-jong, a poderosa irmã do líder da Coreia do Norte

Irmã de Kim Jong-un é a responsável pela demolição do escritório de relações entre as Coreias

Claire Lee, AFP

17 de junho de 2020 | 14h00

SEUL - A demolição por Pyongyang do escritório de relações entre as Coreias voltou a confirmar que Kim Yo-jong, a irmã mais nova do líder norte-coreano Kim Jong-un é uma das pessoas mais poderosas do isolado regime e potencial herdeira do poder.

Em março, o primeiro comunicado oficial foi publicado em seu nome. Desde então, sua influência não parou de crescer e e está no centro da estratégia norte-coreana de ruptura com Seul. No último fim de semana, ela anunciou que era necessário "destruir completamente o inútil escritório de relações". Na terça-feira (16), as autoridades norte-coreanas explodiram o prédio, um dos símbolos da distensão entre as Coreias.

Kim Yo-jong é uma das assessoras mais próximas de Kim Jong-un, o que a transforma em uma das mulheres mais poderosas do regime. Oficialmente, ela é membro suplente do politburo do Partido dos Trabalhadores da Coreia do Norte, para o qual foi nomeada em outubro de 2017. Em um comunicado divulgado pela agência oficial de notícias KCNA, ela fala, porém, sobre seu "poder autorizado pelo líder supremo, nosso partido e o Estado."

Nascida em 1988, segundo o Ministério sul-coreano da Unificação, Yo-hong é um dos três filhos nascidos da união entre o falecido líder Kim Jong-il e sua terceira esposa conhecida, a ex-bailarina Ko Yong-hui. Ela mantém um vínculo especial com o irmão, Kim Jong-un, porque ambos têm a mesma mãe.

Assim como o irmão, ela estudou na Suíça e ascendeu rapidamente na hierarquia desde que ele herdou o poder após a morte do pai em 2011. Em 2009, fez a primeira aparição pública em uma visita com o pai a uma universidade agrícola. E, até a morte de Kim Jong-il, era uma figura recorrente de seu entorno. Nas fotos do funeral, aparece atrás de Kim Jong-un.

Nos últimos anos, Yo-jong sempre esteve ao lado do irmão. "Se mostrou muito fiel na promoção do irmão como líder supremo, polindo sua imagem nos níveis interno e externo, além de ajudá-lo a ponto de ser, de fato, a chefe de gabinete", afirma a professora de Ciência Política Katherine Moon, da Wellesley College.

Durante a viagem de trem de 60 horas de seu irmão para participar da segunda reunião de cúpula com o presidente americano, Donald Trump, em fevereiro de 2019, em Hanói, ela foi vista carregando um cinzeiro quando desceu para fumar em uma plataforma.

Juventude solitária: ponto em comum

"Não há nenhuma dúvida de que Kim Jong-un tem uma relação muito próxima com a irmã", observa Yang Moo-jin, da Universidade de Estudos Norte-Coreanos de Seul. "Jong-un e Yo-jong passaram boa parte da juventude de modo solitário no exterior. Penso que, naquele momento, desenvolveram uma forma de camaradagem, além de amor fraterno", afirma.

Nenhuma mulher governou até hoje a Coreia do Norte, mas alguns analistas a consideraram uma possível candidata à sucessão do irmão quando surgiram boatos sobre a saúde de Kim Jong-un após uma ausência de várias semanas em eventos públicos.

Todos os membros da dinastia que reina com mão de ferro neste país pobre e fechado há mais de 70 anos são reverenciados como pertencentes à "estirpe Paektu" - o nome da maior montanha do país, que teria sido o local de nascimento de Kim Jon-il. E Yo-jong também pertence a esta categoria.

Alguns analistas acreditam que sua onipresença nos últimos meses na imprensa norte-coreana, sempre para criticar os dissidentes que enviam propaganda a partir do Sul para o território do Norte, e o fato de estar diretamente associada à destruição do escritório de relações intercoreanas pode ter como objetivo reforçar sua credibilidade ante o Exército e a alta cúpula do regime.

Antes das recentes ofensivas, Yo-jong era associada principalmente às iniciativas diplomáticas norte-coreanas. Em fevereiro de 2018, foi a enviada do irmão aos Jogos Olímpicos de Inverno em Pyeongchang e se tornou a primeira integrante da dinastia a viajar para a Coreia do Sul. Seu sorriso enigmático, suas roupas, a maneira de escrever, tudo foi analisado.

As Olimpíada de Inverno marcaram o início de uma extraordinária distensão, que não existe mais. E Yo-jong, sobre a qual nada se sabe de sua vida privada, esteve em cada uma das reuniões entre seu irmão e os presidentes dos Estados Unidos e da Coreia do Sul./ AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.