Ahmad GHARABLI / AFP
Ahmad GHARABLI / AFP

Quem é Mansour Abbas, líder do primeiro partido árabe que pode entrar no governo de Israel

Peça-chave para garantir a coalizão contra Binyamin Netanyahu, Abbas é criticado por muitos árabes por se juntar a um defensor da ocupação da Cisjordânia

Rami Ayyub, Reuters

04 de junho de 2021 | 14h46

RAHAT, Israel — É uma fotografia para os livros de História: um político islâmico da minoria árabe de Israel sorrindo ao lado de um líder judeu de extrema direita e de seus aliados, momentos depois de endossá-lo como primeiro-ministro e lhe proporcionar a maioria parlamentar necessária para governar.

A causa comum contra o primeiro-ministro Binyamin Netanyahu ajudou a trazer Mansour Abbas para o establishment político de Israel na noite de quarta-feira. Seu minúsculo partido islâmico garante uma maioria frágil para os partidos judeus que esperam derrubar o mais longevo premier israelense.

A Lista Árabe Unida pode ser o primeiro partido liderado por árabes, que representam 21% da população de Israel, a se juntar a um governo israelense, se a nova coalizão obtiver a aprovação do Parlamento, em uma votação que deve ocorrer em até 12 dias.

Abbas, de 47 anos, deixou de lado as diferenças com Naftali Bennett, que pode se tornar primeiro-ministro do país e é ex-líder de uma organização que representa os colonos judeus na Cisjordânia ocupada. Além disso, Bennett defende a anexação da Cisjordânia — território que os palestinos reivindicam para formarem seu próprio Estado.

Bennett disse que quaisquer restrições que ele pudesse ter a Abbas foram dissipadas, já que "não havia uma palavra nacionalista" nas demandas do líder da Lista Árabe Unida.

Dentista de profissão, Abbas afirma que espera melhorar as condições dos cidadãos árabes de Israel, que se queixam de discriminação e da negligência do governo.

"Decidimos nos juntar ao governo para mudar o equilíbrio das forças políticas no país", disse ele em uma mensagem aos apoiadores depois de assinar um acordo de coalizão com Bennett e o líder da oposição, o centrista Yair Lapid.

O acordo também inclui cláusulas que paralisam a demolição de casas construídas sem autorização em cidades árabes e concedem status oficial a cidades beduínas no deserto de Negev, um reduto da Lista Árabe Unida.

“Digo aqui com clareza e franqueza: quando o estabelecimento deste governo for baseado em nosso apoio... seremos capazes de influenciá-lo e realizar grandes coisas para nossa sociedade árabe”, disse Abbas.

Abbas é de Maghar, uma cidade mista de drusos, muçulmanos e cristãos, perto do Mar da Galileia. Seu partido é a ala política do ramo sul do Movimento Islâmico de Israel, que foi estabelecido em 1971 e tem suas origens na Irmandade Muçulmana.

Antes de concordar com um acordo de coalizão, Abbas buscou e recebeu a aprovação do Conselho Shura, um órgão religioso do Movimento Islâmico que orientou as votações anteriores do partido no Parlamento sobre os direitos LGBT e outras questões.

O partido de Abbas se separou da principal coalizão árabe de Israel, a Lista Unida, antes das eleições de 23 de março, após defender, sem sucesso, que trabalhassem com Netanyahu e outros partidos de direita para melhorar as condições de vida dos árabes.

Muitos árabes criticam a política de Abbas, questionando como ele poderia justificar pertencer a um governo que impõe uma ocupação militar sobre seus irmãos palestinos na Cisjordânia e lidera um bloqueio da Faixa de Gaza, que é controlada pelo Hamas.

“Ele deve ser elogiado por tentar algo novo, mas se houver outra guerra com Gaza e ele estiver no governo, haverá pressão para que ele abandone o navio”, disse Moussa al-Zayadna, da cidade beduína de Rahat, no sul de Israel.

O partido islâmico de Abbas "mudou dramaticamente seu comportamento político histórico" ao se juntar a Bennett e outros líderes de direita, disse Sami Abou Shehadeh, membro da Lista Unida, classificando a atitude como "um crime muito grande".

“Bennett era o chefe do Conselho Yesha [uma associação dos colonos israelenses nos territórios ocupados]. Estamos falando sobre pessoas perigosas, e apoiá-las significa que Mansour Abbas escolheu ficar com a extrema direita dos colonos contra os interesses de nosso povo”, afirmou Shehadeh.

Abbas suspendeu temporariamente as negociações da coalizão durante o conflito de 11 dias entre Israel e o Hamas no mês passado. Também houve violência entre judeus e árabes dentro de Israel, o que o levou a fazer uma visita solidária a uma sinagoga incendiada na cidade de Lod.

Ao canal de TV 12 de Israel, Bennett descreveu esse incidente como um ponto de inflexão em suas opiniões sobre Abbas. “Eu vi uma pessoa que era decente e um líder corajoso”, disse. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.