Martin Alipaz/EFE
Martin Alipaz/EFE

Quem é quem na eleição presidencial boliviana

País repetirá no próximo domingo pleito cancelado após denúncias de fraude

Redação, O Estado de S.Paulo

16 de outubro de 2020 | 03h00

LA PAZ - A Bolívia repetirá neste domingo, 18, as eleições de um ano atrás, que foram anuladas após denúncias de fraude e culminaram na renúncia do então presidente Evo Morales, que buscava um quarto mandato.

Com o país polarizado, a economia em crise e a nova pandemia de coronavírus, que obrigou o adiamento das eleições por alguns meses, alguns especialistas antecipam que essa será a votação mais contestada desde o retorno da democracia ao país, em 1982.

A Bolívia está dividida entre aqueles que anseiam pelo retorno do Movimento pelo Socialismo (MAS), partido de Morales, e aqueles que rejeitam o ex-presidente. 

Conheça os dois principais candidatos e entenda o papel que a presidente interina Jeanine Áñez deve desempenhar nas eleições:

Luis Arce, o candidato que reivindica Evo Morales

O esquerdista Luis Arce aspira a se tornar presidente da Bolívia graças ao capital político construído ao longo de décadas por seu mentor, o ex-presidente Evo Morales.

Arce usa a bandeira da bonança econômica do governo Morales (2006-2019), quando foi Ministro da Fazenda, e atribui essa conquista à nacionalização dos hidrocarbonetos em 2006.

Morales afirma que seu candidato é “uma garantia de estabilidade, crescimento econômico e redistribuição de riquezas”.

Economista de 57 anos, Arce estudou na Universidad Mayor de San Andrés, em La Paz, e fez mestrado na British University of Warwick.

Trabalhou 18 anos no Banco Central, onde ocupou diversos cargos, e foi Ministro da Economia e Finanças durante a maior parte do mandato de Morales, com um hiato de 18 meses. Ele tem um perfil mais tecnocrático do que político. Ele nasceu em 28 de setembro de 1963 em La Paz em uma família de classe média – seus pais eram professores – e é o favorito, de acordo com as pesquisas.

Carlos Mesa, um reincidente na política boliviana

Carlos Diego de Mesa Gisbert, nascido em 12 de agosto de 1953 em La Paz, é descendente de uma família de Alcalá la Real (Espanha) e foi um "forasteiro" da política até duas décadas atrás, quando mergulhou nos olhos dos tempestade.

Candidato centrista da Comunidade Ciudadana, o historiador e jornalista de 67 anos afirma que entrou na política com “a ideia de estar no centro das coisas e trabalhar para movê-las e transformá-las”.

Eleito vice-presidente em 2002, ele apresentou sua renúncia um ano depois, quando o presidente liberal Gonzalo Sánchez de Lozada suprimiu uma rebelião popular que deixou mais de 60 mortos.

Criticado por ser supostamente covarde, Mesa sucedeu posteriormente Sánchez de Lozada como presidente. Ele renunciou duas vezes - a primeira foi rejeitada pelo Congresso - e finalmente saiu em 2005.

Quinze anos depois, o ex-presidente está mais uma vez às portas do poder na Bolívia, agora como o único candidato capaz de vencer nas urnas o esquerdista Luis Arce.

O papel de Jeanine Áñez

A senadora da oposição Jeanine Áñez, até então uma política pouco conhecida nacionalmente, se declarou em 2019 presidente interina da Bolívia.

Defensora de 52 anos, foi a segunda vice-presidente do Senado e se tornou a 66º presidente da Bolívia, dois dias após a renúncia de Evo Morales, pressionado por protestos durante as questionadas eleições de 20 de outubro.

Áñez pretendia concorrer às eleições. Em meados de setembro, no entanto, anunciou a retirada de sua candidatura. Ela aparecia em quarto lugar nas pesquisas eleitorais.

Em pronunciamento gravado, a presidente interina disse que tomou a decisão de retirar sua candidatura “pelo bem maior” da população e para evitar que os votos contra o candidato de Evo não se dividam entre os diversos nomes que se lançaram na disputa. “Deixo de lado minha candidatura à presidência da Bolívia para cuidar da democracia”, disse.

A agora ex-candidata pela aliança Juntos disse que a decisão tem o objetivo de “contribuir para a vitória dos que não querem a ditadura”, porque, “se não houver união, Morales voltará”. “Se não nos unirmos, a democracia perde e a ditadura ganha”, acrescentou. /AP e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.