Iranian Supreme Leader via AP
Iranian Supreme Leader via AP

Quem era Qassim Suleimani, general da Guarda Revolucionária do Irã

De baixa estatura e comportamento silencioso, o homem grisalho de 62 anos conseguiu costurar importantes alianças dentro - e até mesmo fora - do Oriente Médio; veja o perfil

Adam Taylor, Washington Post

03 de janeiro de 2020 | 04h29

Apesar de sua baixa estatura e comportamento silencioso, Qassim Suleimani foi considerado um dos militares mais infames no Oriente Médio pelos Estados Unidos e seus aliados. Como comandante da Guarda Revolucionária do Irã, o homem grisalho de 62 anos assumiu a responsabilidade pelas operações clandestinas do país no exterior, estendendo silenciosamente o alcance militar do Irã em conflitos estrangeiros como os da Síria e do Iraque.

No processo, ele ganhou um status quase mítico entre seus inimigos e uma enorme idolatria por seus partidários iranianos. Analistas se queixaram de que Suleimani tinha mais influência diplomática do que o ministro das Relações Exteriores do Irã, Javad Zarif, e ponderaram se ele iria, eventualmente, buscar um cargo político importante.

Alguns o compararam a Karla, o fanático e fictício mestre de espionagem soviético dos romances de John LeCarré durante a Guerra Fria. Sua história terminou nesta quinta-feira, 02, após um ataque dos Estados Unidos perto do aeroporto de Bagdá.

A morte de Suleimani encerra uma carreira que começou nos primeiros dias após a revolução de 1979 e que ajudou a moldar a república islâmica que a seguiu. "Mais do que qualquer outra pessoa, Suleimani foi responsável pela criação de um arco de influência - chamado pelo Irã de 'Eixo da Resistência' -, que se estende do Golfo de Omã até Iraque, Síria e Líbano, e chega nas costas orientais do Mar Mediterrâneo", escreveu Ali Soufan, ex-agente do FBI e analista de segurança nacional, em um perfil publicado em 2018.

Jovem de uma família pobre do sudeste montanhoso do Irã, Suleimani se juntou ao Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica, um grupo que visava proteger a nova república e reforçar seus estritos objetivos ideológicos após a revolução de 1979. Durante a guerra com o vizinho Iraque, entre 1980 e 1988, o grupo ganhou poder político e econômico no país. Enquanto isso, a guerra sangrenta e brutal no Iraque também ajudou a moldar a personalidade de Suleimani.

Embora estivesse apenas na casa dos 20 anos, ele empreendeu missões atrás das linhas inimigas, o tipo de guerra irregular que um dia se tornaria o cartão de visita da Guarda Revolucionária do Irã. Ele também encontrou aliados entre a maioria xiita do Iraque, que posteriormente apoiaram o Irã contra a ditadura sunita de Saddam Hussein.

No final dos anos 90, Suleimani recebeu o controle da Guarda da Revolução do Irã e passou a se dedicar aos assuntos externos. E embora o grupo tenha uma longa história de bons relacionamentos na região, ajudando a estabelecer o Hezbollah no Líbano durante o início dos anos 80, foi sob a vigilância de Suleimani que ele conseguiu expandir ainda mais a sua influência no Oriente Médio.

Quando a invasão do Iraque pelos Estados e seus aliados expulsaram Saddam, a Guarda Revolucionária começou a ajudar as milícias iranianas no país, enquanto lutavam contra as tropas americanas. Uma estimativa recente do Pentágono argumentou que as forças pró-iranianas mataram pelo menos 608 soldados dos Estados Unidos no Iraque entre 2003 e 2011.

Mais tarde, a guerra civil síria viu uma intervenção maciça da Guarda Revolucionária, ao influenciar a batalha a favor de Bashar al-Assad, líder regional aliado de Teerã. No entanto, apesar de a influência de Suleimani ter sido mais sentida no Oriente Médio, suas ambições práticas não estavam vinculadas apenas ao território.

A Guarda também estava ligada a conspirações na Ásia e na América Latina. Em 2011, o grupo se envolveu em uma tentativa frustrada de assassinar o embaixador da Arábia Saudita nos Estados Unidos, em um restaurante italiano em Georgetown.

Depois que o presidente Donald Trump retirou os Estados Unidos do acordo nuclear feito em 2015 pelo Irã e outras potências mundiais, a Guarda Revolucionária se viu no centro de uma crescente tensão com o país. No Iraque, milícias xiitas usualmente assediavam as tropas americanas no país, disparando foguetes contra as bases utilizadas pelos soldados.

A situação ganhou novos rumos depois que um ataque no final de dezembro matou um empreiteiro americano. Em resposta, os Estados Unidos lançaram ataques aéreos contra bases ao longo da fronteira com a Síria, matando 25 milicianos e ferindo mais de 50. Como consequência, na véspera de ano-novo, milícias xiitas e seus apoiadores invadiram o complexo da Embaixada dos EUA em Bagdá.

Embora ninguém tenha sido morto no caos, Trump alertou que o Irã era o responsável pelo ato. "Eles serão totalmente responsabilizados", tuitou. O ataque aéreo da manhã de sexta-feira, 03, no fuso horário local, matou não apenas Suleimani, mas também Abu Mahdi al-Muhandis, um comandante da milícia iraquiana.

Analistas concordam que Suleimani era uma figura única e provavelmente insubstituível para o regime iraniano. Mas, após as notícias chocantes de sua morte, alguns se perguntaram qual seria a consequência de matar uma figura tão reverenciada na região. "A pressão para retaliar será imensa", observou em sua conta no Twitter Vali Nasr, especialista em Oriente Médio e professora da Universidade Johns Hopkins. Resta apenas esperar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.