Frederic J. BROWN / AFP
Frederic J. BROWN / AFP

Quem será a vice na chapa de Joe Biden nas eleições de 2020?

O único candidato presidencial democrata prometeu escolher uma mulher como colega de chapa para enfrentar Donald Trump nas eleições presidenciais americanas de novembro

Elodie Cuzin e Chris Lefkow, AFP, O Estado de S.Paulo

10 de abril de 2020 | 10h58

Joe Biden, único candidato presidencial democrata, prometeu escolher uma mulher como colega de chapa para enfrentar Donald Trump nas eleições presidenciais nos Estados Unidos em novembro.

Depois que Bernie Sanders desistiu da corrida à Casa Branca, as atenções se voltam para quem será a eleita ao posto que ele ocupou por oito anos durante o governo de Barack Obama.

Será alguém consideravelmente mais jovem que Biden, de 77 anos? Uma mulher procedente de uma minoria? Alguém que possa atrair os eleitores do Meio Oeste?

Mulheres foram aspirantes à vice-presidência de um importante partido político americano em duas ocasiões anteriores.

O republicano John McCain elegeu a governadora do Alasca Sarah Palin como sua colega de chapa em 2008, e o democrata Walter Mondale optou pela congressista de Nova York Geraldine Ferraro em 1984. Tanto McCain quando Mondale perderam as eleições gerais.

Biden disse que começará a busca por uma candidata a vice antes do fim do mês e já propôs uma lista de 12 a 15 nomes. Ele disse ter pedido conselhos ao ex-presidente Obama, que lhe disse que busca alguém que  "tenha fortaleza" onde ele tenha "fragilidades".

Seguem alguns nomes de mulheres que podem ser vice de Biden.

Kamala Harris

Kamala Harris, senadora pela Califórnia, foi considerada uma das principais candidatas à indicação presidencial democrata, mas desistiu em dezembro, após não conseguir se destacar entre os muitos candidatos democratas.

Ex-procuradora-geral da Califórnia, de 55 anos, agora é considerada uma das principais candidatas para ser a escolhida por Biden.

Harris, de ascendência jamaicana e indiana, apoiou Biden no lugar de Sanders no mês passado e foi próxima de seu falecido filho, Beau, ex-procurador-geral de Delaware, que morreu em 2015.

Ter uma mulher negra na cédula pode ser chave para consolidar o apoio dos afro-americanos, um grupo eleitoral chave para os democratas nas eleições de novembro.

Elizabeth Warren

Elizabeth Warren, senadora por Massachusetts, retirou sua candidatura à indicação democrata no começo de março, mas desde então, tem se negado a apoiar Biden ou Sanders.

A advogada progressista de 70 anos poderia ser uma opção moderada para Biden em sua aposta para atrair os partidários esquerdistas de Sanders nas eleições de novembro.

Warren era, junto com Sanders, representante da ala esquerdista do Partido Democrata e concorria com uma plataforma anti-corrupção. 

Segundo o New York Times, pesquisas feitas pela cúpula do Partido Democrata indicam que não haveria uma transferência automática dos votos de Warren para Sanders, apesar dos dois transitarem no mesmo campo ideológico.

Fontes ouvidas pelo Times disseram que como Warren tem uma postura mais moderada que Sanders, a divisão seria 50% a  50%, com metade dos eleitores votando em Biden e a outra metade em Sanders. 

Amy Klobuchar

Amy Klobuchar também lançou sua candidatura para a indicação democrata, mas se retirou no começo de março depois de não conseguir cifras de dois dígitos nas pesquisas nacionais.

Senadora veterana de Minnesota que alcançou um terceiro lugar nas primárias de New Hampshire, Klobuchar não conseguiu reunir o voto dos moderados com sua mensagem de pragmatismo e capacidade de se conectar com os eleitores do meio-oeste do país.

Klobuchar, de 59 anos, é uma centrista como Biden, que poderia melhorar as perspectivas do candidato nos estados do Meio oeste, o que poderia ser crucial para novembro.

Stacey Abrams

Stacey Abrams, de 46 anos, ex-membro da Câmara de Representantes da Geórgia, perdeu por pouco em 2016 a chance de se tornar a primeira mulher governadora negra de um estado nos Estados Unidos.

Apesar de sua falta de experiência em nível nacional, a carismática política afro-americana poderia ser uma opção popular entre os eleitores negros.]

Para Entender

Como funciona a escolha do presidente dos EUA

No dia 3 de novembro de 2020, 224 milhões de eleitores americanos irão às urnas e darão seu veredicto sobre a presidência de Donald Trump; veja o que mais está em jogo

Gretchen Whitmer

Gretchen Whitmer, governadora de Michigan, apoiou Biden antes das primárias democratas do estado, uma medida considerada crítica para sua vitória sobre Sanders.

Michigan é um dos estados que Biden terá que vencer em novembro para derrotar Trump e ter a popular Whitmer, de 48 anos, como sua vice poderia aumentar suas chances.

Michelle Lujan Grisham e Catherine Cortez Masto

Se Biden está procurando uma mulher hispânica para acompanhá-lo na cédula eleitoral, duas possíveis candidatas são Michelle Lujan Grisham, de 60 anos, a primeira mulher governadora do Novo México, ou Catherine Cortez Masto, de 56 anos, ex-procuradora-geral de Nevada, eleita para o Senado americano em 2016.

Outras

Outros nomes também surgiram como apostas, incluindo o da representante da Flórida, Val Demings, de 63 anos, que atuou como gerente na Câmara baixa do julgamento do impeachment de Trump no Senado.

Tammy Duckworth, de 52 anos, ex-piloto de helicóptero do Exército dos Estados Unidos e veterana de combate, senadora por Illinois, é outra possibilidade. 

Por fim, Tammy Baldwin, senadora de 58 anos do estado do Wisconsin.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.