Quênia: Corte confirma eleição de Uhuru Kenyatta

A Suprema Corte do Quênia confirmou neste sábado que a escolha de Uhuru Kenyatta como próximo presidente do país, encerrando um período que levantou temores sobre uma repetição da violência pós-eleitoral de 2007/08. O veredicto, após um prolongado processo judicial que gerou tensões na nação, significa que Kenyatta será empossado como presidente no início do mês que vem.

Agência Estado

30 de março de 2013 | 13h25

Ele se tornará o segundo presidente africano a enfrentar acusações em um Tribunal Criminal Internacional. Kenyatta e o vice-presidente eleito William Ruto são acusados de terem ajudado a orquestrar a violência pós-eleitoral de 2007/08, na qual mais de 1 mil pessoas morreram. Ambos negam as acusações. O julgamento de Ruto deve começar no fim de maio e o de Kenyatta em julho.

Advogados do rival Raila Odinga argumentaram à Suprema Corte do Quênia que a eleição foi marcada por irregularidades e que Kenyatta não havia recebido votos suficientes para evitar um segundo turno. De acordo com os resultados oficiais, Kenyatta obteve 50,07% dos votos, evitando por pouco um segundo turno contra Odinga. Mas a decisão unânime da Suprema Corte afirma que a eleição foi "conduzida em conformidade com a constituição e a lei" e que Kenyatta foi "eleito incontestavelmente". As informações são da Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
Quêniaresultadoeleição

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.