Quênia diz que maior parte dos reféns é libertado

O exército do Quênia informou que a maior parte das pessoas que vinham sendo mantidas como reféns por extremistas somalis havia sido libertada na operação que foi iniciada no começo da noite deste domingo, pelo horário local, no shopping Westgate, na capital Nairóbi. O porta-voz do exército diz ainda que o complexo está seguro e que a operação deve ser concluída rapidamente.

Agência Estado

22 Setembro 2013 | 18h21

"Nossa preocupação é resgatar todos os reféns vivos e esse é o motivo pelo qual a operação é delicada", afirmou o Centro de Operações Nacionais de Desastre do Quênia na mais recente atualização das informações feita por meio de sua conta no Twitter.

O grupo militante da Somália al-Shabab assumiu a autoria do atentado. Acredita-se que entre 10 a 15 militantes entraram no edifício e armados atiraram granadas e deram início a disparos no shopping lotado, por volta do meio dia de ontem. As estimativas são de que pelo menos 200 pessoas ficaram feridas nas mais de 30 horas do atentado. O número de mortos chega a 68 pessoas, mas pode ser ainda maior. Há informações de que quatro soldados estão feridos na operação para por fim ao cerco. As informações são da Dow Jones Newswire.

Mais conteúdo sobre:
Quêniaatentadoshopping

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.