Christopher Torchia/AP
Christopher Torchia/AP

Quênia: Equipes de resgate encontram sobrevivente de ataque à universidade

Estudante se trancou em um armário por dois dias e só saiu após conversar com um professor; 148 pessoas morreram no ataque

Estadão Conteúdo

04 de abril de 2015 | 08h37

Uma sobrevivente do ataque na Universidade Garissa foi encontrada neste sábado, dois dias após um grupo de extremistas islâmicos matar 148 pessoas.

Cynthia Charotich, de 19 anos, afirmou no hospital que ela se escondeu em um grande armário e cobriu-se com roupas, recusando-se a sair, mesmo quando alguns de seus colegas de classe saíram dos esconderijos diante dos pedidos dos pistoleiros do grupo Al-Shabab.

Ela disse que não acreditou que os socorristas que pediram para ela sair de seu esconderijo estavam lá para ajudar, suspeitando a princípio que eles eram militantes. "Charotich saiu do esconderijo, só depois de as forças de segurança do Quênia pedirem a um de seus professores para falar com ela.

Os extremistas do Al-Shabab alertaram que mais ataques no Quênia, como o realizado contra a Universidade Garissa, podem ocorrer. De acordo com o grupo de monitoramento de inteligência SITE, o grupo militante islâmico divulgou um comunicado neste sábado, afirmando que o ataque na universidade foi uma retaliação devido a assassinatos realizados por tropas quenianas, que lutam contra os rebeldes na Somália. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
QuêniaAtaqueSobrevivente

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.