Quênia: Presidenciável denuncia manipulação eleitoral

O partido do primeiro-ministro e candidato à presidência do Quênia, Raila Odinga, exigiu nesta quinta-feira uma recontagem total dos votos depositados nas eleições presidenciais realizadas no início da semana depois de denunciar manipulação dos resultados.

AE, Agência Estado

07 de março de 2013 | 13h33

"O processo eleitoral nacional carece de integridade e precisa ser detido e reiniciado com base nos documentos primários dos postos de votação", declarou Kalonzo Musyoka, vice-presidente queniano e companheiro de chapa de Odinga.

A votação transcorreu normalmente na maior parte do país na segunda-feira, mas o processo de apuração dos votos tem sido afetado por atrasos e problemas técnicos. A situação alimenta temores de turbulência em um país marcado por recentes episódios de violência política.

Ahmed Issack Hassan, presidente da Comissão Eleitoral Independente do Quênia, negou a denúncia da chapa de Odinga e assegurou que "não existe espaço para nenhuma forma de manipulação dos resultados".

Ontem, autoridades quenianas despacharam aviões e helicópteros para recuperar urnas em todo o país para dar continuidade à apuração em Nairóbi. A medida foi necessária depois de uma pane eletrônica ter praticamente paralisado a apuração antes que ela chegasse a sua metade. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Quêniaeleiçõesfraude

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.