Quênia tenta combater disseminação de armas automáticas

O Quênia finalmente ateou fogo a 1.000 armas ilegais confiscadas ao longo dos últimos anos, de criminosos urbanos e criadores de gado nômades. Hussein Yussuf e Rukia Subow, que vêm liderando a campanha contra armas ilegais no norte do Quênia por anos, assistiram ao vice-presidente Michael Wamalwa acender a pira de rifles e pistolas embebidos em diesel.Para Yussuf, coordenador de outro projeto de defesa da paz e de administração de conflitos, armas são o principal problema no norte do país, por causa da instabilidade dos países vizinhos, Somália e Etiópia.Ele disse que, no último ano, mais de 1.000 pessoas foram mortas em disputas por água, pasto e gado. Seu grupo vem tentando convencer grupos de criadores fortemente armados a abrir mão de suas armas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.