Quenianos elegem hoje presidente e governadores em clima de tensão

Cinco anos após mais de mil pessoas serem mortas na violência pós-eleitoral, os quenianos vão às urnas hoje votar na eleição considerada a mais importante do país e a mais complicada em seus 50 anos de história. Clérigos em todo o Quênia fizeram sermões pedindo paz no país, que enfrenta potenciais atros de violência. A polícia emitiu um alerta ontem dizendo que criminosos estavam planejando se vestir como policiais para causar distúrbios em centros de votação. O serviço de inteligência também advertiu que militantes somalis planejam realizar ataques durante a eleição, na qual será escolhido o novo presidente - entre dois candidatos com um histórico de tensões - e 47 governadores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.