Quenianos encontram corpos uma semana após massacre em igreja

Uma semana depois de umamultidão incendiar uma igreja e matar cerca de 30 pessoas, nopior incidente da violência pós-eleitoral do Quênia, famíliasde vítimas continuam encontrando corpos mutilados em campos dosarredores. Faith Wairimu chorou ao encontrar parte do corpo de seumarido num matagal, na noite de segunda-feira, após dias debusca. A cabeça e o tronco não estavam lá, mas a mulher oreconheceu pelas calças. "É ele, está morto", disse a camponesa, pressionando opunho contra os lábios e apertando os olhos para conter aslágrimas. Dois policiais colocaram as pernas e o abdome numsaco e levaram numa caminhonete. "Deus nos ajude", murmurava umdos policiais, balançando a cabeça. No dia 1o de janeiro, um grupo invadiu a aldeia de Kiambaa,no vale do Rift, e atacou membros da etnia kikuyu, dopresidente Mwai Kibaki, vencedor da eleição do dia 27, quesegundo a oposição foi fraudada. A multidão trancou dezenas de pessoas numa igreja em quehaviam se refugiado, bloqueou a porta com um colchão e ateoufogo, segundo moradores. Cerca de 30 pessoas morreram queimadas, enquanto osagressores perseguiam outras pelos campos, atacando-as comfacões. "Não posso acreditar que fizeram isso com ele",lamentava Wairimu olhando os restos do marido. A mãe dela também foi morta, por uma flecha envenenadalançada pelos agressores, segundo Wairimu, que até então tinhaesperanças de achar o marido com vida. Oficialmente, os distúrbios pós-eleitorais deixaram quase500 mortos, mas a oposição diz que a cifra real se aproxima demil. Raila Odinga, candidato derrotado, suspendeu o comício quehavia convocado para terça-feira, a fim de dar mais tempo parauma mediação. Milhares de membros da etnia kikuyu fugiram de ataques. Eem todo o país há mais de 250 mil refugiados. Muitos procuraram abrigo em igrejas e delegacias na regiãode Eldoret, principal cidade do fértil vale do Rift, cerca de300 quilômetros ao norte de Nairóbi. A situação criou uma crisehumanitária, com escassez de água e alimentos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.