Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

''Querem nos estrangular diplomática e financeiramente''

Delmer Urbizo: Embaixador de Honduras nas Nações Unidas

Entrevista com

Jamil Chade, CORRESPONDENTE, GENEBRA, O Estadao de S.Paulo

15 de setembro de 2009 | 00h00

A qual governo o sr. serve?

Sou contra retirar presidentes a força. Já estive preso por uma junta militar e jamais serviria a um golpe de Estado. Hoje, porém, represento o governo de facto. O Parlamento está funcionando, teremos eleições e os tribunais funcionam.

Mas sua presença não é um afronta à resolução da ONU?

A resolução pede que governos não reconheçam o atual presidente de Honduras, mas ela não diz que não posso estar aqui. O que ocorre é que querem nos estrangular financeira e diplomaticamente.

Honduras não se sente isolada?

Essa campanha é uma tentativa dos governos da região de distrair seus eleitores de questões internas mais importantes.

O sr. não teme que seu país seja um mau exemplo para a região?

Quem queria mudar a Constituição era o senhor Manuel Zelaya. Os governos que se dizem socialistas na América Latina são socialistas de ouvido. Onde estava o Itamaraty quando houve uma ditadura no País? A quem serviram os diplomatas naquele momento?

O Brasil argumenta que não há lugar para um golpe na região.

Não entendo o interesse do Brasil por Honduras. O País vem fazendo uma campanha para nos tirar das reuniões da ONU. J.C.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.