'Queremos alcançar era da energia renovável', diz Merkel

O governo da Alemanha vai apresentar um claro cronograma para afastar sua política energética da energia nuclear em direção a energias renováveis, afirmou hoje a chanceler Angela Merkel. "Nós queremos alcançar a era da energia renovável o mais rapidamente possível", disse ela ao Parlamento alemão, em um pronunciamento sobre as consequências do desastre no Japão.

AE, Agência Estado

17 de março de 2011 | 10h45

"Nós vamos usar o período da moratória para acelerar a modernização energética", afirmou a chanceler. Na terça-feira, o governo alemão ordenou que as sete usinas nucleares mais antigas do país sejam fechadas por ao menos três meses, período em que será realizada uma revisão da política energética da Alemanha.

Merkel não disse se o governo vai reabrir alguma dessas usinas depois dos três meses de moratória, mas afirmou que algumas poderão ser desativadas mais rapidamente do que o planejado. "Tudo será checado", declarou. Ao mesmo tempo, o aumento do uso de energias renováveis e a melhoria na rede de eletricidade necessária para isso também precisam ser acelerados, segundo Merkel. "Nós vamos apresentar um claro cronograma para isso."

A chanceler observou, no entanto, que um abandono da energia nuclear precisa ser feito com cautela, para salvaguardar o abastecimento de energia e levar em conta as emissões de gases causadores do efeito estufa. Merkel também destacou que a segurança nuclear precisa ser discutida em nível global e disse que o assunto será debatido em uma cúpula de líderes da União Europeia (UE) em Bruxelas, Bélgica, na próxima semana.

No ano passado, o governo de Merkel reverteu uma decisão que havia sido tomada pela administração anterior e determinava o fechamento gradual das usinas nucleares do país até 2022. A nova decisão previa a expansão da vida útil das usinas em mais 12 anos em média. Com isso, o último reator nuclear alemão seria desativado em 2036. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.