Questão nuclear pode ser resolvida rapidamente, diz Irã

O Irã está pronto para resolver todas as suas disputas nucleares "rápida e facilmente" numa segunda rodada de conversações com as potências mundiais, programada para acontecer no mês que vem em Bagdá, afirmou nesta segunda-feira o ministro de Relações Exteriores iraniano, Ali Akbar Salehi.

AE, Agência Estado

16 de abril de 2012 | 12h24

Segundo a agência semioficial de notícias Isna, Salehi disse que o Irã pode ser mais flexível se receber garantias de recebimento externo de urânio enriquecido, num aparente endosso à proposta norte-americana.

O programa de enriquecimento de urânio em território iraniano é um dos principais pontos de discórdia com o Ocidente.

O ministro também pediu aos países ocidentais que levantem as sanções contra a República Islâmica, dizendo que a medida de "construção de confiança" poderia acelerar as negociações.

Suas declarações parecem sinalizar uma maior flexibilidade após as negociações de sábado em Istambul com potências mundiais sobre o controverso programa nuclear iraniano. Os dois lados consideraram as negociações positivas e uma nova rodada está programada para ocorrer em Bagdá, no próximo mês.

"Estamos prontos para resolver todas as questões rápida e facilmente, já em Bagdá, se houve boa-vontade", afirmou Salehi.

"Podemos discutir sobre o porcentual do enriquecimento de urânio", declarou Salehi. "Se eles garantirem o fornecimento de combustível com vários níveis de enriquecimento, o caso será diferente."

Atualmente, o Irã enriquece urânio a 20%, o que preocupa o Ocidente porque esse combustível pode ser rapidamente elevado para 90%, o nível necessário para a fabricação de armas. O Irã afirma que seu urânio enriquecido, assim como todo seu programa nucelar, tem fins pacíficos, dentre eles pesquisas para tratamento de câncer. O Irã também produz urânio de baixo enriquecimento para seu único reator de produção de energia elétrica.

Antes das negociações em Istambul, com os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU, mais a Alemanha, Teerã se ofereceu para reduzir seu enriquecimento de urânio, mas não a abandonar a capacidade de produzir combustível nuclear.

Ao mesmo tempo, porém, ignorou outra preocupação do Ocidente, seu estoque de urânio já enriquecido. O Ocidente quer que o estoque iraniano de urânio a 20% seja transferido para fora do país. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Irãreuniãopotênciasnuclear

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.