Quirguistão pede ajuda à Rússia para conter violência

O governo do Quirguistão pediu à Rússia para enviar tropas ao país para encerrar uma onda de violência étnica que já deixou mais de 62 pessoas mortas e feriu cerca de 800 na nação empobrecida e que abriga bases militares dos Estados Unidos e da Rússia.

AE-AP, Agência Estado

12 de junho de 2010 | 09h58

A presidente interina, Roza Otunbayeva, reconheceu que seu governo perdeu o controle no sul, após um segundo dia de violência ter instalado o caos na segunda maior cidade do Quirguistão, Osh. O céu de Osh está negro de fumaça provocada pelas gangues de rapazes quirguizes que, portando armas de fogo e barras de ferro, marcham em direção à vizinhança usbeque e ateiam fogo em suas casas.

Até o momento, Moscou não respondeu ao pedido de ajuda de Otunbayeva, mas como a Rússia possui pactos de segurança com várias nações que anteriormente compunham o Estado soviético, incluindo o Quirguistão, é provável que atenda o pedido de ajuda de Otunbayeva.

Milhares de usbeques aterrorizados estão abandonando suas casas em direção à fronteira com o Usbequistão. Um repórter da Associated Press, que visitou a fronteira, viu pessoas correndo em pânico e corpos de crianças pisoteadas. O governo interino enviou tropas e tanques blindados para a cidade, mas não conseguiu conter a turbulência e declarou estado de emergência na região.

A Rússia possui uma base aérea no Quirguistão, protegida por um pequeno contingente de soldados, e terá de enviar mais soldados se decidir ajudar o governo interino a conter a violência.

"A situação na região de Osh saiu do controle", disse Otunbayeva. "As tentativas de estabelecer o diálogo falharam e os conflitos e a fuga em pânico continuam. Precisamos de ajuda das forças estrangeiras para reprimir o confronto". A presidente interina disse que faltam alimentos na região depois de praticamente todos os estabelecimentos comerciais terem sido saqueados e fechados.

É a pior onda de violência desde que o ex-presidente Kurmanbek Bakiyev foi retirado do poder em abril, em meio a uma sangrenta insurgência, e abandonou o país. É também um teste crucial para o governo, que tem à frente a votação de uma nova constituição, em 27 de junho, e eleições parlamentares, em outubro.

Otunbayeva acusou a família de Bakiyev de instigar a violência em Osh, justificada pelo desejo de evitar o referendo constitucional. Ela afirmou que enviou uma carta ao presidente da Rússia, Dmitry Medvedev, pedindo ajuda do exército. Otunbayeva também falou ao telefone ontem à noite com o primeiro-ministro russo, Vladmir Putin. O gabinete de Putin informou que as autoridades discutiram a situação na região de Osh, mas não forneceu detalhes. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
atentadoQuirguistãoRússia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.