Quirguistão pode se tornar segundo Afeganistão, diz Medvedev

Presidente russo disse que país está à beira de guerra civil e sugeriu renúncia de Bakiyev

13 de abril de 2010 | 19h48

Reuters e Associated Press 

 

WASHINGTON- O Quirguistão está no limite de uma guerra civil e está ameaçado a se tornar "um segundo Afeganistão", disse nesta terça-feira, 13, o presidente russo, Dmitri Medvedev.

 

Veja também:

linkLíder interina do Quirguistão estende convênio de base dos EUA

linkPresidente do Quirguistão aceita renunciar se sua segurança for garantida

linkEx-ministro do Interior do Quirguistão está vivo

 

"No meu entendimento, o Quirguistão está à beira de uma guerra civil", disse Medvedev em Washington, ao sugerir que o presidente deposto Kurmanbek Bakiyev deveria renunciar formalmente. "Certas figuras políticas deveriam tomar atitudes responsáveis", afirmou.

 

 Bakiyev assegurou nesta terça que renunciará somente se for garantida sua segurança e a de sua família, pouco depois de o governo provisório criado pela oposição anunciar a supressão de sua imunidade.

 

Bakiyev foi expulso do palácio presidencial após as forças da oposição tomarem diversos prédio do governo em protestos na semana passada. Desde então, o mandatário se isolou em uma cidade no sul do país e tem sido pressionado para deixar o cargo.

 

Em entrevista à Associated Press, a líder interina do governo quirguiz, Roza Otunbayeva, afirmou que garantirá a segurança do presidente deposto se ele renunciar e abandonar o país, mas se negou a estender essa imunidade a sua família, acusada pela oposição de corrupção e outros abusos.

 

Mais cedo, um subchefe do governo interino, Azymbek Beknazarov, disse que Bakiyev havia sido despojado de sua imunidade presidencial e que havia recebido uma advertência para se entregar, ou, caso contrário, as forças especiais o prenderiam.

 

Otunbayeva rechaçou essa declaração na entrevista. Segundo a líder, o governo cogita tirar a imunidade do presidente deposto, mas essa medida ainda não foi tomada.

 

Tanto a Rússia como os Estados Unidos, que têm bases militares em território quirguiz, observam com preocupação a violência na ex-república soviética.

 

Saiba mais

linkSaiba mais sobre o Quirguistão

linkSaiba mais sobre a base militar dos Estados Unidos no Quirguistão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.