Quirguistão quer julgamento de presidente deposto

Quirguistão quer julgamento de presidente deposto

O líder do governo interino do Quirguistão, Roza Otunbayeva, disse hoje que o presidente deposto Kurmanbek Bakiyev tem de ser julgado. A declaração de Otunbayeva reverteu uma oferta prévia de garantir a segurança do ex-presidente.

AE/AP, Agência Estado

11 de abril de 2010 | 13h21

Bakiyev deixou a capital, Bishkek, na quarta-feira, em meio a protestos violentos após a morte de pelo menos 81 pessoas durante demonstrações contra violações de direitos humanos, corrupção e inflação no país.

A última posição de Roza Otunbayeva é um sinal de que sua paciência está se esgotando em relação à recusa de Bakiyev em renunciar. "As pessoas estão me criticando por ser leniente com ele e afirmam que não deveriam haver garantias de segurança para Bakiyev. A população quer um julgamento," disse Otunbayeva na televisão local.

Ao falar de sua região no sul do Quirguistã, Jalal-Abad, à agência de notícias russa RIA Novosti, Bakiyev pediu que as Nações Unidas intercedesse e fizesse uma intervenção militar na área.

A situação está causando preocupação entre as potências ocidentais, porque os EUA têm uma base militar no país considerada crucial para a campanha contra os Taleban no Afeganistão. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Quirguistãopresidentesegurança

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.