Rabino defende 'fim' do povo palestino

JERUSALÉM

AFP e EFE, O Estado de S.Paulo

30 de agosto de 2010 | 00h00

O influente rabino Ovadia Yosef disse, durante seu sermão semanal no sábado, que o povo palestino deveria "desaparecer do mundo". A declaração desatou uma onda de protestos poucos dias antes do encontro do presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, com o premiê israelense, Binyamin Netanyahu, em Washington. Na quinta-feira os dois se reunirão para retomar as negociações diretas para um acordo de paz.

"Que todas essas pessoas sórdidas que odeiam Israel, como Abu Mazen (como Abbas é conhecido), desapareçam deste mundo", afirmou o rabino. "Possa Deus atingir com a praga todos os horríveis palestinos que perseguem Israel."

O negociador-chefe dos palestinos, Saeb Erekat, condenou as palavras do rabino, afirmando que elas eram "um incitamento ao genocídio". "Yosef está literalmente convocando um genocídio contra os palestinos e parece não haver resposta do governo israelense", disse Erekat.

A resposta de Netanyahu veio logo após. O premiê distanciou-se das afirmações feitas pelo rabino. Segundo comunicado divulgado por seu gabinete, as palavras de Yosef não representam o ponto de vista defendido pelo governo de Israel.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.