Radiação atingirá França sem riscos, diz agência

A Autoridade de Segurança Nuclear (ASN) afirmou hoje que a radiação nuclear da usina de Fukushima, no Japão, deverá atingir a França na quarta-feira. No entanto, não haverá nenhuma consequência para a saúde das pessoas, alimentos ou meio ambiente.

CLARISSA MANGUEIRA, Agência Estado

21 de março de 2011 | 11h40

"Essas radiações serão extraordinariamente fracas, ao ponto de não serem detectadas pelo equipamento normal de mediação", disse o presidente da ANS, André-Claude Lacoste. Segundo ele, a radiação de Fukushima será de 1 mil a 10 mil vezes menos significante que a radiação que atingiu o país proveniente do desastre nuclear de Chernobyl, em 1986.

Lacoste estima que levará anos para lidar com as consequências do acidente em Fukushima. Ele lembrou que a situação na usina não mudou e que as emissões radioativas ainda estão ocorrendo. "Nós estamos somente no início da fase pós-acidente", ressaltou.

A França tem estado muito preocupada com o acidente nuclear japonês, visto que o país é o segundo maior operador nuclear do mundo, atrás dos Estados Unidos. A França tem 58 reatores, todos operados pela gigante francesa estatal de energia Electricité de France.

Contaminação

A radiação provocada pelo acidente de Fukushima contaminou solos e vegetais em áreas próximas. A ASN acrescentou que a agência de meteorologia da cidade japonesa prevê que os ventos irão em direção à terra e não mais em direção ao oceano, e que uma esperada chuva concentrará a radioatividade no solo.

A Agência de Segurança Nuclear e Industrial do Japão afirmou hoje que o reator número 3 da usina de Fukushima parou de expelir fumaça por volta das 3h (horário de Brasília). Segundo a agência, os níveis de radiação estão "estáveis" ao redor do reator.

No entanto, o reator numero 2 começou a emitir fumaça branca, o que demonstra incerteza sobre a situação das instalações. A Tokyo Electric Power, proprietária da usina em Fukushima, afirmou que a fumaça do reator 2 pode ser vapor. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.