Radiação atrapalha operação para resfriar reatores de Fukushima

Governo japonês está utilizando helicópteros com jatos d'água para controlar aquecimento

Efe,

16 de março de 2011 | 23h07

 

 

TÓQUIO - A radiação ao redor da usina de Fukushima está atrapalhando as equipes do governo japonês que trabalham para tentar resfriar os reatores 2 e 3. Helicópteros das Forças de Autodefesa estão utilizando a água do mar em sua operação, mas os níveis de radiação não diminuíram até o momento, informou a empresa operadora do complexo nuclear, a Tokyo Electric Power (Tepco). 

 

Veja também:

blog Twitter: Siga a correspondente Cláudia Trevisan, que está no Japão

especial Infográfico: Entenda o terremoto maiores tragédias dos últimos 50 anos

especial Especial: A crise nuclear japonesa

documento Relatos: envie textos, vídeos e fotos para portal@grupoestado.com.br

som Território Eldorado: Ouça relato do embaixador e de brasileiros no Japão

mais imagens Galeria de fotos: Tremor e tsunami causam destruição

blog Arquivo Estado: Terremoto devastou Kobe em 1995

 

A maior preocupação neste momento é o reator 3 da usina nuclear, onde dois helicópteros das Exércitolançaram água em diversas ocasiões de manhã (no horário japonês), mas os níveis de radiação seguirem estáveis. Devido à rediação no local, o trabalho teve que ser interrompido inúmeras vezes, para assegurar a segurança da tripulação.

 

O nível de radiação ao redor da central, onde estão alguns trabalhadores, é de 3 mil milisievert por hora, frente aos 100 milisievert por ano, nível máximo considerado seguro para a saúde humana.

 

Os helicópteros lançaram água de uma altura de 90 metros, quando o nível de radiação se situava em 4,13 milisievert por hora, segundo explicou o ministro de Defesa japonês, Toshimi Kitazawa.

 

A operação começou por volta das 9h48 hora local (21h48 de Brasília) e instantes depois colunas de fumaça branca começaram a sair da estrutura.

 

A agência Kyodo teme que a fumaça seja vapor de água radioativo procedente da piscina que armazena as varetas, e isso indicaria que o recipiente de segurança que protege o núcleo está danificado.

 

A NHK explicou que os pilotos têm ordens de não ficar parados para evitar serem expostos a grandes quantidades de radiação procedente do complexo.

 

Este plano foi criado na terça-feira pelas autoridades para tentar estabilizar os reatores com problemas, mas acabou sendo descartado por razões de segurança e pelo risco de vazamento. Quase todos os funcionários da usina foram evacuados pelo mesmo motivo.

 

Além disso, um caminhão cisterna equipado com um canhão de água deve perseguir o mesmo objetivo no reator 4 e também tenta estabelecer uma nova ligação elétrica para alimentar os geradores de energia que permitem que a bomba de refrigeração funcione.

 

Texto atualizado às 10h50.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.