Radiação impede resgate de 1 mil corpos na zona de segurança de Fukushima

Autoridades japonesas dizem que corpos foram expostos a altos níveis de radiação

Efe

31 Março 2011 | 08h41

 

TÓQUIO - Devido ao temor dos efeitos da radiação, cerca de 1 mil corpos não podem ser resgatados dentro da zona de segurança de 20 quilômetros ao redor da usina nuclear de Fukushima, indicaram fontes da polícia japonesa nesta quinta-feira, 31.

 

Veja também:

especial Infográfico: Entenda o terremoto maiores tragédias dos últimos 50 anos

especial Especial: A crise nuclear japonesa

documento Relatos: envie textos, vídeos e fotos para portal@grupoestado.com.br

som Território Eldorado: Ouça relato do embaixador e de brasileiros no Japão

blog Arquivo Estado: Terremoto devastou Kobe em 1995

 

As autoridades revelaram que alguns corpos "foram expostos a altos níveis de radiação", como no caso de uma vítima encontrada na localidade de Okuma, na província de Fukushima, a cerca de cinco quilômetros da usina nuclear. No dia 27, as autoridades desistiram de recuperar o corpo, segundo a agência local "Kyodo".

 

Os especialistas tentam encontrar a forma de resgatar os corpos dentro da zona de evacuação sem expor a altos níveis de radiação as equipes de emergência, legista e familiares no processo de identificação.

 

Foi proposta a possibilidade de examinar a radioatividade dos corpos antes de transferi-los para fora da zona de 20 quilômetros, embora exista perigo para as equipes de busca, que não podem passar muito tempo na área e devem trabalhar vestidos com trajes antiradiação.

 

Além disso, os mortos dentro dessa zona de evacuação não podem ser submetidos à cremação, como é costume no Japão, já que se teme que o processo possa liberar gases radioativos.

 

Também não se considera totalmente seguro enterrar os cadáveres, já que poderiam contaminar o terreno, segundo as fontes da polícia consultadas pela "Kyodo".

 

A tragédia dos habitantes dessa área, que foram forçados a abandonar seus lares pelos vazamentos de radiação da usina nuclear de Fukushima, aumenta com a dificuldade de conhecer o destino desses desaparecidos.

 

Apesar de Fukushima ser uma das províncias mais afetadas pelo terremoto do dia 11, junto com Iwate e Miyagi, foram confirmadas apenas 1.049 mortes até o momento, enquanto outras 4.798 pessoas seguem desaparecidas.

 

O número de vítimas fatais pelo terremoto de 20 dias atrás já é de 11.438 em todo o Japão, enquanto 16.541 pessoas seguem desaparecidas, segundo o último boletim da polícia japonesa.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.