Radicais islâmicos usam vídeo com Donald Trump para recrutar negros e muçulmanos americanos

Vídeo produzido pela filial da Al Qaeda no oeste da África inclui um clipe do candidato presidencial republicano defendendo que muçulmanos sejam proibidos de entrar nos Estados Unidos

O Estado de S.Paulo

02 Janeiro 2016 | 12h45

Mogadíscio - A filial da Al Qaeda no oeste da África lançou um vídeo para recrutar negros americanos e muçulmanos, que inclui um clipe do candidato presidencial Donald Trump defendendo que muçulmanos sejam proibidos de entrar nos Estados Unidos.

O vídeo de 51 minutos produzido pelo grupo militante al-Shabab, baseado na Somália, diz que há racismo institucionalizado e segregação religiosa nos EUA, e que o fundamentalismo é a maneira de combater isso.

No clipe de Trump, ele defende a paralisação "total e completa da entrada de muçulmanos nos Estados Unidos". O vídeo, que segundo o grupo de monitoramento SITE Intel, foi lançado pelos extremistas na sexta-feira, 1°, apresenta vários americanos que morreram lutando pelo islamismo radical na Somália, e encoraja jovens norte-americanos a seguir o exemplo dos que morreram. O Al-Shabab combate o atual governo somali, que é apoiado por tropas da União Africana. / ASSOCIATED PRESS

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.