Radicalismo fiscal republicano é fruto da crise

Políticos conservadores querem garantir que o tamanho de sua fatia não diminua à medida que o bolo encolhe

THOMAS B., EDSALL, THE NEW YORK TIMES, O Estado de S.Paulo

17 de outubro de 2012 | 03h02

Análise

A economia americana está exaurida. Essa é a hipótese oferecida por Robert J. Gordon, economista da Northwestern University. Suponhamos por um momento que ele esteja com a razão. As consequências políticas seriam enormes. Gordon argumenta que a expansão econômica que se seguiu a cada uma das três revoluções industriais - dos séculos 18, 19 e 20 - é cada vez menor e é seguida por um momento de retração. "Não há garantias de que esse crescimento continuará indefinidamente", diz.

Os EUA enfrentam "ventos contrários" que poderão reduzir o crescimento anual do seu Produto Interno Bruto para a cifra anual irrisória de 0,2%. O primeiro deles é o encolhimento da força de trabalho. Além disso, os EUA também estão perdendo a vantagem competitiva de que por muito tempo gozaram com base na competência educacional de sua força de trabalho.

A globalização e os avanços rápidos na tecnologia informática encorajam a terceirização e a automação, o que inevitavelmente causa "um efeito danoso nos países com o nível salarial mais alto", isto é, os EUA. Em suma, Gordon está dizendo que não haverá uma quarta revolução industrial. Se isso se confirmar, a desigualdade aumentará, pois o ônus do declínio econômico recairá sobre o grosso da população.

Intelectualmente, as campanhas de Obama e Romney certamente estão conscientes da linha geral de pensamento por trás dessa análise. Para o presidente, o argumento de que os EUA estão ficando sem fôlego é politicamente intocável. No caso de Romney, algo muito diferente parece estar ocorrendo.

Há duas constatações paralelas movendo o pensamento político na direita. A primeira é a crescente consciência da ameaça à coalizão conservadora à medida que seu eleitorado principal - eleitores brancos, particularmente protestantes brancos casados - diminui como proporção do eleitorado. Da mesma forma, a classe política conservadora reconhece que os tempos idílicos de crescimento compartilhado, com os EUA liderando a economia mundial, podem ter terminado.

Se os republicanos prevalecerem em seu duplo objetivo de cortar - ou mesmo eliminar - gastos sociais e manter ou baixar as alíquotas fiscais, eles terão conseguido obstruir a restauração dos programas de seguro social no futuro.

O que realmente provoca a ferocidade com que a direita luta atualmente por políticas fiscais e de gastos públicos regressivas é uma visão profundamente pessimista de um futuro de tempos difíceis. Essa visão levou o Partido Republicano a adotar uma estratégia preventiva que antecipa o fim do crescimento e o surgimento de uma persistente austeridade - uma estratégia para garantir que o tamanho de sua fatia do bolo não diminua à medida que o bolo encolhe. Esse é o tema subjacente e mal explorado da eleição de 2012. / TRADUÇÃO DE CELSO PACIORNIK

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.