Radicalismo islâmico assusta minorias sírias

Partidários de Assad temem que poder fique com extremistas que ameacem liberdades, costumes e direitos das mulheres ausentes em países da região

LOURIVAL SANTANNA, ENVIADO ESPECIAL / DAMASCO, O Estado de S.Paulo

22 de abril de 2012 | 03h03

Na celebração da independência da Síria, convertida em manifestação de apoio a Bashar Assad, na terça-feira, Sana Nasser subiu ao palanque montado em frente à sede do Banco Central e discursou para as cerca de 300 pessoas. Vestindo uma jaqueta militar de camuflagem, ela afirmou que daria seu sangue pelo presidente. "Ele nos dá tudo."

Sana, de 47 anos, é dona de casa. Seu marido, engenheiro, trabalha para o governo. "Eu dirijo carro às 3 horas da manhã, se quiser", disse. "Eu nado de biquíni na praia. Isso não existe em nenhum outro país árabe." Quando o repórter perguntou a Sana e a seus filhos adolescentes - um rapaz e duas moças - se não tinham anseio de liberdade, eles responderam: "O que temos aqui é liberdade".

Salsan Jerir, de 42 anos, também dona de casa, trazia uma camiseta com o desenho de três leões. Ela disse que o primeiro era Hafez, pai de Bashar, que ficou no poder entre 1970 e 2000, e cujo nome significa "leão" em árabe. O segundo era Bashar e o terceiro, Haidera, seu filho. "Assad por mais 40 anos", pediu. "Eu morreria por ele."

O marido de Salsan é dono de uma granja de frangos. Segundo ela, não tem relação com o governo. Assim como Sana, Salsan teme que a queda de Assad transforme a Síria em uma república islâmica. Em Damasco, algumas moças que antes saíam com o cabelo à mostra passaram a usar o véu, com medo de ataques.

Se os opositores lutam pela liberdade, os partidários do regime também. Eles temem que a revolução traga a liberdade política, mas lhes roube a liberdade de costumes e de religião. O medo é alimentado por alguns sinais. O apoio à oposição dado por Arábia Saudita e Catar, dois países conservadores, é um deles. As monarquias sunitas do Golfo são rivais do Irã, que apoia o regime sírio. O Irã é xiita, seita da qual provém a minoria alauita que Assad representa. Os alauitas não observam alguns rituais do Islã e não são considerados muçulmanos por muitos sunitas. Exilado na Arábia Saudita, o xeque radical Adnan Arour aparece constantemente na TV com mensagens que misturam fervor religioso com a perseguição contra os que apoiam o regime.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.