Rádio ortodoxa passa trote em Israel

Uma brincadeira feita por uma rádio judaica ultra-ortodoxa, que anunciou que o líder palestino Yasser Arafat havia sido assassinado, fez com que as ruas de um bairro judeu ficassem completamente vazias ao meio-dia de hoje, por temor de uma represália da intifada (levante) palestina. O fato ocorreu no bairro ultra-ortodoxo judeu de Bene Braq, em Tel Aviv, onde começou a correr o rumor, entre as escolas do Talmud e os rabinos, de que Arafat havia sido morto. "As mulheres desesperaram-se para manter seus maridos em casa, por temerem uma violenta reação dos militantes da intifada", disse um morador de Bene Braq.A histeria começou quando a rádio ultra-ortodoxa Kol-Hay (A voz da vida) interrompeu sua programação para anunciar que o presidente palestino havia "desaparecido". Os rabinos ultra-ortodoxos proíbem que os moradores do bairro comprem jornais "laicos ou sionistas", escutem a rádio nacional ou tenham televisão em casa (que seriam "instrumentos da perdição?). Por isso, os ouvintes da Kol-Hay ficaram esperando novas informações sobre o paradeiro de Arafat.Minutos depois, a rádio transmitiu um novo boletim: "Temos a confirmação, Arafat morreu". E depois de uma nova pausa, acrescentou: "Não morreu simplesmente, foi assassinado". Uma grande preocupação tomou conta então da população. "Era apenas uma brincadeira, estava claro", confessou depois a rádio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.