Rafsanjani diz que países do Golfo não apoiarão ataque ao Irã

O diretor do Conselho da Determinação do Irã e ex-presidente do país, Hashemi Rafsanjani, disse nesta segunda-feira no Kuwait que tem certeza de que os países árabes do Golfo Pérsico não apoiarão os Estados Unidos no caso de um ataque americano contra o Irã. Segundo a agência de notícias kuwaitiana Kuna, Rafsanjani mostrou seu convencimento após negar aos jornalistas que tenha pedido aos países do Golfo Pérsico que não ajudem os EUA se este país decidir atacar o Irã. O ex-presidente do Irã, influente personalidade política em seu país, acrescentou que as especulações sobre um possível ataque militar americano contra o Irã são exageradas, e que Teerã tem certeza de que os EUA não se intrometerão no que disse ser uma "difícil situação". O presidente do Parlamento kuwaitiano, Jassem Mohammed Al Kharafi, disse, após se reunir com Rafsanjani, que espera que o programa nuclear iraniano tenha fins pacíficos e que os responsáveis iranianos devem trabalhar para reduzir o temor de todos que duvidam sobre as intenções de Teerã com uma maior transparência. "Se não há transparência, os temores se intensificarão", disse Al Kharafi. O Kuwait e o resto dos países do Golfo Pérsico, como a Arábia Saudita, Omã, Catar, Barein e Emirados Árabes Unidos, são importantes aliados dos EUA na região. O presidente americano, George W. Bush, disse que ações militares contra o Irã "estão fora da mesa". As conseqüências de uma ação militar contra as fábricas nucleares iranianas continuam sendo o maior problema para um possível ataque. O porta-voz do Parlamento venezuelano, Nicholas Maduro, que está visitando o Irã, disse no domingo que seu governo irá se opor a qualquer pressão política ou ação militar contra o programa nuclear de Teerã. O Irã anunciou nesta semana que conseguiu enriquecer urânio, o que aumentou a preocupação da comunidade internacional diante das ambições nucleares iranianas e das especulações de que Washington possa adotar uma estratégia militar contra esse país.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.