Tolga Akmen/AFP
Tolga Akmen/AFP

Rainha Elizabeth concorda com 'período de transição' de Harry e Meghan

Monarca disse que preferia que eles continuassem na família real, mas respeita a decisão

Redação, O Estado de S.Paulo

13 de janeiro de 2020 | 14h39

A rainha Elizabeth II afirmou nesta segunda-feira, 13, que a sua família teve discussões construtivas sobre o futuro do príncipe Harry e de sua mulher, Meghan Markle. Ela disse que ambos gostariam de ter uma vida mais independente e que gostariam de passar um tempo entre o Canadá e o Reino Unido durante um período de transição. A decisão foi alvo de críticas no Reino Unido. 

"Apesar de preferir que eles permanecessem membros que atuam em período integral na família real, respeitamos e entendemos o desejo de viverem uma vida mais independente", escreveu a rainha em comunicado.  

Até agora, Meghan e Harry abriram mão de seu subsídio mensal, embora expressem o desejo de manter seus títulos como duques, proteção policial e uso do Frogmore Cottage, uma casa nos terrenos do Castelo de Windsor, a oeste de Londres, cuja reforma foi paga com 2,4 milhões de libras (cerca de R$ 13 milhões) do Tesouro.

Harry, Meghan e seu filho Archie passaram o Natal no Canadá e a ex-atriz americana retornou ao país nesta semana. As longas férias do casal geraram críticas da imprensa sensacionalista britânica pelos supostos caprichos de Meghan Markle e seu luxuoso estilo de vida. 

Segundo a imprensa britânica, a rainha, de 93 anos, não foi consultada antes de o casal tomar a decisão e ficou decepcionada. Ela teria pedido à família que encontrasse uma solução para o desejo de seu neto, sexto na ordem de sucessão ao trono, de obter "independência financeira" e viver parte do ano na América do Norte. 

'Bullying'

Outra das hipóteses para a decisão de Harry e Meghan trata da relação entre o príncipe William e seu irmão. De acordo com uma fonte ouvida pelo jornal The Times, o casal teria sofrido bullying do Duque de Cambridge, que “constantemente informava o lugar” dos dois na hierarquia familiar. Em comunicado, os príncipes denunciaram o conteúdo, chamando de 'especulação'. 

As brigas entre William e Harry teriam começado antes do casamento entre o caçula e Meghan, ainda em maio de 2018. À época, eles teriam se desentendido durante uma discussão no Castelo de Windsor, quando Harry condenou a atitude pouco “acolhedora” de William com sua esposa. Dali em diante, a relação entre os dois teria se deteriorado aos poucos. / Com informação do The Washington Post e da AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.