Andrew Milligan/Pool via REUTERS
Andrew Milligan/Pool via REUTERS

Rainha Elizabeth tem passagem secreta para bar em Londres, diz tabloide

Colunista do Daily Mail afirma que marido da princesa Eugenie, Jack Brooksbank, revelou que túnel liga o Palácio de St. James, uma das residências oficiais da rainha, ao tradicional Dukes Bar, na capital inglesa

Redação, O Estado de S.Paulo

19 de outubro de 2021 | 13h19

Um membro da família real britãnica pode ter revelado o segredo por trás uma passagem secreta de uma das residências oficiais da rainha Elizabeth II.

De acordo com o colunista Richard Eden, do tabloide britânico Daily Mail, o marido da princesa Eugenie (neta de Elizabeth), Jack Brooksbank revelou, no começo do mês, que o Palácio de St. James está ligado por um túnel ao Dukes Bar - ponto de encontro da realeza e da alta sociedade britânica.

"Tem um [túnel] para o Dukes Bar saindo do Palácio de St. James", teria dito Brooksbank ao colunista, durante uma festa em Londres. Ele teria completado: "Eu não usei ele ainda, mas eu adoraria conferir isso". Brooksbank morou em St. James por anos, antes de casar com Eugenie e se mudar para  Castelo de Windsor.

Se o relato do tabloide for verdadeiro, o túnel teria cerca de 300 metros de extensão para poder ligar o Palácio de St. James ao hotel 5 estrelas Dukes Hotel, onde o Dukes Bar fica localizado.

O bar é conhecido por servir o martini - a bebida favorita da rainha Elizabeth II - pelo valor de 17 libras (aproximadamente R$ 170 no câmbio atual).

De acordo com a revista americana Vanity Fair - mesma publicação que revelou a indicação médica de suspender os drinks diários da rainha - essa não seria a primeira passagem secreta em uma residência da filia real britânica. No Palácio de Buckingham, por exemplo, a Sala de Estar Branca - cômodo utilizado regularmente para pequenas reuniões e audiências com a Elizabeth II - tem uma porta secreta, disfarçada como espelho e armário, que tem conexão com aposentos privados da monarca.

Já no Castelo de Windsor, há um túnel secreto abaixo de um tapete em um de seus escritórios, em formato de alçapão. O conjunto de grandes degraus de pedra foi construído por volta de 1200, para ser usado como rota de fuga caso o castelo fosse sitiado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.