AFP PHOTO / LEON NEAL
AFP PHOTO / LEON NEAL

Rainha não dá nenhum sinal de que vá abdicar

Medida adotada por outros monarcas europeus, como os reis da Espanha e da Holanda é improvável na Grã-Bretanha

O Estado de S. Paulo

09 Setembro 2015 | 05h00

LONDRES  - Após 63 anos de reinado, a rainha Elizabeth se torna nesta quarta-feira, 9, a monarca britânica a permanecer mais tempo no trono, mas há pouca perspectiva de que vá abdicar, como fizeram outros reis europeus, em favor de seu filho, Charles.

As pessoas próximas de Elizabeth, de 89 anos - que supera o período no trono de sua tataravó, a rainha Vitória -, dizem que ela não tem intenção de sucumbir à moda europeia da abdicação.

Isso significa que o príncipe Charles, de 66 anos, já detentor do recorde britânico de herdeiro ao trono pelo período mais longo, terá que esperar mais tempo ainda até se tornar rei.

"Eu declaro diante de todos vocês que toda a minha vida, seja ela longa ou curta, será dedicada a seu serviço e ao serviço da nossa grande família imperial", disse Elizabeth aos 21 anos, em um pronunciamento à nação, em 1947.

O marco de ultrapassagem da rainha Vitória provocou especulações sobre se Elizabeth poderia deixar o trono. Quando perguntada, no mês passado, se abdicação era uma possibilidade, uma fonte de alto escalão do palácio disse: "A vida significa a vida", em referência ao discurso de Elizabeth.

As conotações religiosas da coroação britânica são profundamente simbólicas para Elizabeth, que, como rainha, é a chefe suprema da Igreja da Inglaterra (Anglicana).

"A rainha não vai abdicar, ela não deve abdicar, não há absolutamente nenhuma razão para ela abdicar e, na verdade, constitucional e religiosamente, ela não pode abdicar: ela é uma rainha ungida", disse o historiador real Hugo Vickers à Reuters.

Margaret Rhodes, prima da rainha e amiga desde a infância, acredita que ela nunca vai romper seu compromisso com a nação.

A abdicação em 1936 do tio da rainha, Edward VIII - por razões amorosas, e não por velhice - foi bastante traumática, mergulhando a monarquia em uma crise constitucional que pôs o inseguro pai dela no trono.

Na Grã-Bretanha, no entanto, há poucos pedidos de abdicação de Elizabeth e nem sequer algum clamor para que Charles seja rei. Na realidade, o oposto seria mais provável.

Charles, que foi preparado desde o nascimento para um dia ser rei, é menos popular do que sua mãe. Em uma pesquisa feita em abril, 53% dos britânicos disseram que gostavam dele em comparação com 77% que gostam da rainha.

Apenas 19% dos britânicos querem uma república, em comparação com 70% que apoiam a monarquia. / REUTERS

Mais conteúdo sobre:
Elizabeth IIGrã-Bretanha

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.