REUTERS/Stringer
REUTERS/Stringer

Raio-X de Cuba

Pela primeira vez desde a Revolução Cubana, a ilha será comandada por alguém sem Castro no sobrenome

O Estado de S.Paulo

18 Abril 2018 | 12h23

População: Cuba é a maior ilha do Caribe tanto em território como em população, com cerca de 11,5 milhões de habitantes. A capital é Havana.

Moeda: Existe um sistema de moeda dupla, com um peso cubano que vale 4 centavos de dólar e outro, que vale quase US$ 1. O sistema foi desenhado para usar o dinheiro nacional "menos valioso" e isolar o mercado igualitário e controlado pelo Estado.

Para o comércio exterior, são utilizados os pesos conversíveis. O presidente Raúl Castro pediu a eliminação do sistema duplo desde o início de sua presidência, mas a medida nunca ocorreu.

Governo: O poder executivo está nas mãos do presidente do Conselho do Estado, que é eleito pela Assembleia Nacional do Poder Popular, o Parlamento. Nessa semana, a legislatura vai escolher o sucessor de Raúl, que assumiu a presidência em 2008, após o irmão Fidel anunciar que estava se afastando por motivos de saúde. O Partido Comunista de Cuba é o único partido político e supervisiona o Estado socialista de acordo com a Constituição. Raúl continuará como chefe do partido depois de deixar a presidência.

História: Cristóvão Colombo reivindicou a ilha para a Espanha em sua primeira viagem ao hemisfério ocidental em 1492, quando o local era habitado por indígenas. A ilha se declarou independente em 1899, com a intervenção militar dos Estados Unidos, mas permaneceu sob ocupação americana até se tornar uma República, em 1902. Fidel e Raúl Castro lideraram a revolução que derrubou o ditador Fulgêncio Batista em 1959. EUA e Cuba reataram as relações diplomáticas em 2014, após décadas de hostilidade, e iniciaram um processo de melhoria das relações bilaterais, o que foi interrompido pelo governo do presidente Donald Trump.

Economia: Cuba possui um sistema de seguridade social extenso, que oferece saúde e educação gratuitamente, mas sua economia sofre. É dependente, em grande parte, dos cerca de 5 milhões de turistas ao ano, além dos pagamentos aos cubanos médicos e especialistas que trabalham em outros países e dos cubanos que vivem no exterior. O país recebia subsídios da Venezuela de mais de US$ 6 bilhões anualmente, mas o país de Maduro agora passa por um colapso econômico. / AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.